PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Emocionado, presidente argentino põe camisa de time em caixão de Maradona

Alberto Fernández se emociona ao olhar para caixão de Diego Maradona durante velório na sede do governo argentino - Reprodução/YouTube
Alberto Fernández se emociona ao olhar para caixão de Diego Maradona durante velório na sede do governo argentino Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

26/11/2020 11h18Atualizada em 26/11/2020 11h39

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, chegou por volta das 11h (horário de Brasília) de hoje à Casa Rosada, sede do governo local que está recebendo o velório de Diego Maradona.

Usando máscaras de proteção contra o coronavírus, Fernández acenou e chegou a tirar fotos com alguns torcedores que se aglomeravam em uma área determinada pelas autoridades.

Já dentro do salão da cerimônia, o presidente se emocionou e colocou uma camisa do Argentinos Juniors, primeiro time profissional de Maradona, sobre o caixão do argentino.

Alberto Fernández estendeu uma camisa do Argentinos Juniors no caixão do ex-jogador - Reprodução - Reprodução
Alberto Fernández estendeu uma camisa do Argentinos Juniors no caixão do ex-jogador
Imagem: Reprodução

Além do uniforme, ele colocou também no caixão dois lenços brancos associados às Mães da Praça de Maio.

Durante o momento, Fernández abraçou familiares de Maradona e ficou por alguns minutos observando o caixão.

Ontem, minutos após a morte de Maradona, o presidente havia publicado em seu Twitter uma homenagem ao ex-jogador.

"Você nos levou ao topo do mundo. Você nos fez imensamente felizes. Você foi o maior de todos. Obrigado por ter existido, Diego. Nós vamos sentir sua falta para a vida", publicou Fernández.

A morte

Maradona morreu após sofrer uma parada cardiorrespiratória em sua residência, em Tigre, cidade vizinha de Buenos Aires. O laudo preliminar da autópsia realizada ontem (25) apontou um quadro de insuficiência cardíaca aguda. A análise definitiva será divulgada em até 48 horas.

A saúde do craque argentino já estava precária desde o início do mês, quando ele foi operado de um hematoma subdural e depois, por decisão familiar e médica, permaneceu hospitalizado devido a uma "baixa anímica, anemia e desidratação" e um quadro de abstinência devido ao vício em álcool.

O ex-jogador chegou a ter alta há duas semanas e passou seus últimos dias em casa, acompanhado de enfermeiras 24 horas por dia.

Antes dos problemas de saúde, o campeão mundial trabalhava como técnico do Gimnasia y Esgrima, de La Plata.

Futebol