PUBLICIDADE
Topo

Presidente da Liga Espanhola critica tribunal por mudar pena do City

Javier Tebas, presidente da LaLiga, criticou a anulação da decisão da Uefa de banir o Manchester City por 2 anos - Jan Kruger/Getty Images
Javier Tebas, presidente da LaLiga, criticou a anulação da decisão da Uefa de banir o Manchester City por 2 anos Imagem: Jan Kruger/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

13/07/2020 10h48Atualizada em 13/07/2020 12h38

Javier Tebas, presidente da Liga Espanhola, criticou e questionou a decisão de hoje da CAS (Corte Arbitral do Esporte) em reverter a punição da Uefa que impedia o Manchester City de jogar as duas próximas temporadas da Liga dos Campeões - ou qualquer outro torneio europeu - e a diminuição do valor da multa exigido anteriormente. A Uefa havia banido o time dos seus torneios em fevereiro devido ao não-cumprimento do fair play financeiro.

"Temos que reavaliar se a CAS é o órgão certo para apelar das decisões institucionais no futebol", declarou Tebas.

Segundo o site Olé, o presidente da Liga Espanhola ainda completou a fala: "A Suíça é um país com uma grande história de arbitragem, a CAS não está de acordo [com a história do país ao tomar essa decisão]", disse Tebas, em referência ao país onde a mais alta instância jurídica do esporte possui sede.

Tebas já chegou a criticar anteriormente o modelo de negócio utilizado por times como Manchester City e PSG (Paris Saint-Germain), por financiarem seus clubes através de investidores árabes.

Além da reversão da pena com a permissão de disputar o torneio nas próximas duas temporadas, a multa prevista ao City inicialmente foi reduzida de 30 milhões de euros (cerca de R$ 181 milhões) para 10 milhões de euros (R$ 60 milhões).

Acusações

Entre as acusações feitas pela Uefa que levaram o time ao banimento da competição está o aumento de suas receitas a partir de patrocinadores ligados à empresa Abu Dhabi United Group, que pertence ao dono do time. Com isso, o clube conseguia cumprir as regras do fair play financeiro imposto pela federação no período entre 2012 e 2016.

O fair play financeiro é uma das regras da competição que exige que os clubes demonstrem à Uefa a capacidade do pagamento de suas contas. A medida visa analisar se os times estão gastando dentro dos seus limites econômicos, sem colocar a entidade em risco.

Futebol