PUBLICIDADE
Topo

Lazaroni explica ausência de Neto na Copa de 90: 'Um balão japonês'

Entrevista de Sebastião Lazaroni ao UOL - 2 - UOL
Entrevista de Sebastião Lazaroni ao UOL - 2 Imagem: UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/06/2020 18h10

Técnico da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1990, Sebastião Lazaroni explicou por que não convocou Neto, hoje apresentador da Bandeirantes, para o Mundial disputado na Itália. Na ocasião, o Brasil acabou eliminado pela Argentina nas oitavas.

Convidado do Futebol na Veia, programa da ESPN, de hoje, Lazaroni afirmou que Neto "nunca esteve" no radar da seleção e criticou o comportamento do jogador fora de campo.

"Ele teve uma passagem não muito fértil, não muito profissional, aqui no Bangu, e, sinceramente, apesar de achar uma grande carência num meia criativo, não via nele a dinâmica. Não via nele a necessidade para o que exigia o futebol naquele momento, e nunca esteve muito no nossos radar. Acabou tendo um dos maiores sucesso após a Copa de 90, com o Corinthians", comentou o treinador campeão da Copa América de 89.

Em relação ao rótulo de "injustiçado" atribuído a Neto, Lazaroni negou ter marcado negativamente o ídolo do Corinthians ao não convocá-lo para a Copa de 90.

"Na realidade, como ele se transformou num homem de mídia, ele tem como cartão de visitas um injustiçado para a seleção de 90. Eu diria assim: Tá bom, Lazaroni errou, mas quem o convocou mais? Ele não foi antes por quê? Ele não foi depois por quê? Será que porque eu marquei ele negativamente? Não. Apenas me pareceu um bom homem de bola parada, excelente cobrador de faltas, mas, na continuidade de na seleção brasileira, pela vida pregressa dele fora do campo, atitude e rendimento, ele me pareceu apenas um balão japonês", completou.

UOL Esporte vê TV