PUBLICIDADE
Topo

Luxa diz que Felipe Melo na zaga é mudança inteligente: 'Não sou burro'

Do UOL, em São Paulo

22/05/2020 12h26

O técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, defendeu a utilização de Felipe Melo como zagueiro e disse, em entrevista ao UOL Esporte, que a mudança foi uma medida inteligente.

Usando inovações de Zagallo rumo ao título da Copa do Mundo de 1970 como exemplo, Luxemburgo disse que as características atuais do jogador são mais condizentes com a zaga do que com o meio-campo, sua posição original.

"Se em 1970 o Zagallo faz isso e mostra o conhecimento do técnico brasileiro e ganha uma Copa, por que trazer o Felipe Melo para trás é errado? Felipe Melo atrás é uma coisa inteligente, modéstia à parte eu não sou burro", disse. O recuo do "ex-volante" para a zaga foi uma das primeiras medidas que o treinador anunciou em seu retorno ao Palmeiras, aliás.

"Ele jogando no meio-campo já tem 38 anos, é um jogador pesado. Só vou poder jogar ele como um (único volante). Há dois anos eu disse que o Felipe poderia render muito mais como zagueiro do que como volante. E se você perguntar para ele se quer sair da posição de zagueiro, ele vai dizer não porque ele agora está inteiro, sempre com saúde", completou.

A referência sobre a seleção de 1970, campeão na Copa do México, se deve à forma que Zagallo montou o time, deslocando alguns jogadores em campo em comparação a suas posições tradicionais, que desempenhavam em seus clubes.

"Toda a hora que você passa por uma situação dessa dizem que não vai dar certo, que eu estou inventando. Eu estudo futebol. Nos jogamos uma Copa do Mundo, em 1970, com mudança de posição. Zagalo colocou o Tostão de centroavante, colocou o Rivelino por dentro, fazendo o quarto homem, jogou com dois volantes que não eram de marcação, eram o Clodoaldo e o Gerson", disse.

Palmeiras