PUBLICIDADE
Topo

Por que o Santos acredita que fez "ótimo negócio" em venda de Aguilar

Felipe Aguilar, ex-zagueiro do Santos e agora atleta do Furacão - Ivan Storti/Santos FC
Felipe Aguilar, ex-zagueiro do Santos e agora atleta do Furacão Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

18/03/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Santos vendeu Felipe Aguilar ao Athletico-PR e teve lucro com a transação
  • Pagamento à vista vem em bom momento, já que o Peixe vive situação financeira delicada
  • Salário de Aguilar era considerado alto para um reserva, na casa dos 300 mil
  • Clube ainda manteve 50% dos direitos econômicos do jogador

O Santos anunciou na noite de ontem (17) a saída do zagueiro Felipe Aguilar, vendido ao Athletico-PR. Quando a negociação ainda não estava sacramentada, dirigentes do Peixe garantiram ao UOL Esporte que o clube estava lucrando com a transferência. E de fato isso ocorreu, o que faz com que o Santos avalie o negócio como "ótimo" para o clube.

O Peixe comprou 100% dos direitos de Felipe Aguilar junto ao Atlético Nacional (COL) no início de 2019 pagando US$ 2 milhões (cerca de R$ 8 milhões na cotação da época). No clube, o colombiano teve altos, entrando no radar da seleção, e baixos, terminando a temporada encostado pelo ex-técnico Jorge Sampaoli.

Precisando aliviar a folha salarial e diante da subutilização do zagueiro em 2020 — ele se recuperava de lesão, e o Peixe teve bons números defensivos com Luiz Felipe, Luan Peres e Lucas Veríssimo —, o clube decidiu que poderia abrir mão do defensor que ganhava na casa dos R$ 300 mil reais.

Na negociação com o Athletico-PR, que contou com a boa relação com Rodrigo Gama, ex-diretor jurídico do Santos e atualmente no Furacão, o Peixe pediu o mesmo que pagou pelo jogador, mas na cotação atual: o clube paranaense irá desembolsar R$ 10 milhões, equivalente hoje a US$ 2 milhões, com pagamento à vista, por 50% dos direitos econômicos do atleta.

O dinheiro imediato é muito bem-vindo para o Santos, que sofre com problemas financeiros e não raramente atrasa pagamentos de direitos de imagem. Além disso, há certo temor em relação às receitas diante da paralisação dos campeonatos devido à pandemia do coronavírus.

Além dos R$ 10 milhões à vista, o Peixe ainda manteve 50% dos direitos econômicos do jogador — o que pode render ainda mais para o clube no futuro.

Sem Aguilar, o Peixe conta com cinco opções para a zaga: Lucas Veríssimo, Luan Peres, Luiz Felipe, Wagner Leonardo e Alex.

Santos