PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Brasil fecha janela de R$ 356 milhões e inicia quadrangular decisivo "leve"

Bruno Guimarães em ação pelo Brasil contra o Peru; meio-campista fechou com o Lyon durante o pré-olímpico - Lucas Figueiredo/CBF
Bruno Guimarães em ação pelo Brasil contra o Peru; meio-campista fechou com o Lyon durante o pré-olímpico Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Danilo Lavieri

Do UOL, em Bucaramanga (Colômbia)

03/02/2020 12h00

Classificação e Jogos

Por coincidência do calendário, o Brasil entra na fase mais importante do pré-olímpico sem precisar se preocupar com a janela de transferências. Após uma janela de transferências que movimentou R$ 356 milhões só com jogadores convocados para a seleção sub-23 neste começo do ano, o time de André Jardine entra em campo hoje, a partir das 22h30 (de Brasília), em Bucaramanga, para enfrentar a Colômbi pela primeira rodada do quadrangular final, com a cabeça voltada exclusivamente para a briga por uma vaga em Tóquio.

Depois de passar a primeira fase inteira sofrendo com os efeitos do mercado da bola, o elenco agora concentra todas as suas atenções no campo, já que a janela para os principais países do futebol europeu está fechada. Durante toda a competição, a seleção brasileira precisou ceder à vontade de atletas e até liberar alguns deles para deixarem a concentração enquanto concluíam negociações.

O primeiro caso foi o de Reinier. Primeiro, ele recebeu os médicos do Real Madrid na Granja Comary para passar por baterias de exames e, depois, atrasou a sua apresentação com o grupo na Colômbia porque precisou viajar à Espanha para realizar os trâmites finais de sua transferência. A negociação dele foi fechada em 30 milhões de euros, o que significa mais de R$ 140 milhões.

A outra transferência que movimentou 20 milhões de euros foi a de Bruno Guimarães. O jogador deixou o Athletico Paranaense para defender o Lyon e, a exemplo de Reinier, deixou a concentração para acertar a transferência. No caso dele, no entanto, a viagem foi mais curta. Ele deixou Armênia para ir a Bogotá em um voo de menos de uma hora.

Branco, o coordenador da seleção de base, afirmou que a coincidência da data da competição com a janela faz com que a seleção precise lidar com essa movimentação da forma mais natural possível.

"Eu acho que nós tivemos habilidade administrativa, com respeito a tudo e todos. Nós só não aceitamos ser prejudicados. Estamos com foco total na competição. A janela estava aberta, e as negociações acontecem. Imagina os caras aqui jogando bem como é que fica? Você vê 100 observadores do mundo inteiro, todos de olho neles. Eles têm futuro brilhante pela frente. O que a gente se preocupa é para que eles não saiam da linha", afirmou, após o término da primeira fase.

André Jardine manteve discurso parecido durante toda a competição. O treinador afirmou e reafirmou que sempre entendia a necessidade de seus atletas decidirem seu futuro, mas repetia em todas as preleções e reuniões no hotel que era necessário ter cabeça forte para que o foco não se perdesse. A princípio, deu certo: o Brasil venceu todas as partidas e chega ao quadrangular como um dos favoritos.

A lista de transferências se completa com mais duas mudanças que foram "simples". Cleiton deixou o Atlético-MG para o Red Bull Bragantino por 5 milhões de euros, enquanto Matheus Cunha deixou o RB Leipzig para defender o Hertha Berlin por 20 milhões de euros. No caso do atacante, os documentos foram assinados na concentração, mas não houve necessidade de exames médicos.

Os números ainda poderiam aumentar substancialmente com possíveis saídas de Antony e Pedrinho, que chegaram a negociar com Ajax e Benfica, respectivamente, mas não se acertaram transferência.

O Brasil entra em campo hoje com um pequeno mistério na escalação. Pela primeira vez durante toda a preparação, André Jardine limitou a presença da imprensa e não quis revelar a escalação. Há uma dúvida na formação da zaga. A estratégia foi adotada no momento em que o time jogará pela primeira vez no torneio com estádio cheio, justamente contra os donos da casa. Jorge Carrascal, do River Plate, é o destaque dos colombianos.

FICHA TÉCNICA
COLÔMBIA X BRASIL

Data: 03 de fevereiro de 2020, segunda-feira
Horário: 22h30 (de Brasília)
Local: Estádio Alfonso López, em Bucaramanga (Colômbia)

COLÔMBIA: Esteban Ruiz; Edwin Herrera, Willer Ditta, Eddie Segura e Gabriel Fuentes; Jaime Alvarado, Eduardo Atuesta, Edwuin Cetré e Nicolás Benedetti; Ricardo Marquez e Jorge Carrascal. Técnico: Arturo Reyes

BRASIL: Ivan; Guga, Nino, Bambu (Fuchs) e Caio Henrique; Bruno Guimarães, Matheus Henrique e Pedrinho; Antony, Paulinho e Matheus Cunha. Técnico: André Jardine

Seleção Brasileira