Topo

Pablo tenta manter artilharia, mesmo mais da metade dos jogos longe do SPFC

Pablo comemora gol do São Paulo - Marcello Zambrana/Agif
Pablo comemora gol do São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/Agif

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

05/11/2019 04h00

Pablo vive uma situação inusitada. Apesar de ter disputado apenas 24 dos 54 confrontos do São Paulo na temporada, o camisa 9 ainda é o artilheiro do clube no ano. Com sete gols, ele está à frente do lateral esquerdo Reinaldo, com seis, no ranking tricolor. Recuperado de estiramento na coxa direita, ele pode ser relacionado para o jogo desta quinta-feira (7), no Morumbi, contra o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro.

Contratado após se destacar pelo Athletico, o jogador ainda não conseguiu engatar uma boa sequência no time paulista por causa de lesões. Além da contusão sofrida no jogo com o Bahia, no dia 9 de outubro, ele foi vetado pelo departamento médico por conta de dores na panturrilha direita, da retirada de um cisto na coluna lombar e de uma lesão no ligamento do tornozelo.

Para complicar ainda mais a situação do clube, o jogador desfalcou o São Paulo em momentos importantes, como na decisão do Campeonato Paulista. Vale destacar que o atacante ainda teve o período de paralisação do Brasileirão, quando a Copa América era disputada no país, para se recuperar da cirurgia.

O fato de Pablo ainda ser o líder na artilharia tricolor reflete o desempenho ruim do sistema ofensivo. A equipe tem o ataque menos efetivo em sua história em 50 jogos. Até o momento, foram 52 gols em 54 jogos na temporada, com a média de 0,96. Além disso, são 23 partidas sem marcar gols em 2019, sendo que a pior marca é de 27 confrontos sem balançar as redes, obtida em 1973, como apontou o historiador Alexandre Giesbrecht.

Seca de gols

Para se ter uma ideia de como o número de gols até agora é baixo, o artilheiro do ano passado do São Paulo foi Diego Souza, com 16 tentos. Restam agora oito partidas para o fim da temporada. Ou seja, Pablo teria de fazer mais de um gol por duelo para empatar com o goleador de 2018. A última vez que alguém fechou o ano no primeiro posto do ranking do Tricolor com sete gols foi em 1990. Na ocasião, Mário Tilico, Raí e Aguirre fizeram sete cada um.

Se serve de alento para a torcida, ontem (4), no CT da Barra Funda, em jogo-treino contra o sub-19 do clube, Pablo fez duas vezes no triunfo por 3 a 1 sobre os jovens da categoria de base.

São Paulo