PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Caso de polícia: Ponte Preta faz B.O. contra boato que circula no WhatsApp

José Armando Abdalla Júnior, presidente da Ponte Preta - PontePress/LuizGuilhermeMartins
José Armando Abdalla Júnior, presidente da Ponte Preta Imagem: PontePress/LuizGuilhermeMartins

Do UOL, em São Paulo

24/10/2019 13h09

Classificação e Jogos

A Ponte Preta registrou um boletim de ocorrência junto à polícia civil de Campinas na manhã de hoje (24). O clube paulista entregou às autoridades mensagens com boatos que estão sendo compartilhadas via WhatsApp desde a noite de ontem (23). A atual diretoria da Macaca se diz vítima de calúnia e promete levar o caso adiante em busca do autor das informações falsas.

Por meio de nota publicada em seu site oficial e repassada à imprensa, a Ponte Preta rebate o que chama de "fake news" e "invenção sem precedentes, com claro objetivo de prejudicar a imagem da diretoria da Macaca". Ainda diz o texto que "não existe fraude, não existe investigação da Polícia Civil, não existe gravação comprometedora", negando as informações que vêm sendo compartilhadas via WhatsApp.

As mensagens denunciadas pela Ponte Preta diziam que um diretor do clube estaria sendo investigado por fraude e teria um mandado policial de prisão preventiva expedido em seu nome para esta quinta-feira. "O que existe, de fato, é uma campanha de difamação e de truculência, inclusive física, desferida por intenções espúrias. Trata-se não de política, mas de politicagem, da mais baixa estirpe", escreve o clube.

Na tarde da última segunda-feira, o presidente da Ponte Preta, José Armando Abdalla Junior, foi ofendido verbalmente e teve o carro danificado por torcedores que o clube diz serem membros de uma torcida organizada. Os agressores estariam exigindo entrada no quadro associativo da agremiação. Imagens de câmeras de segurança que registraram tal ação já foram também encaminhadas à polícia.

Paralelamente à tensão extracampo, a Ponte Preta pleiteia uma vaga na elite do futebol brasileiro do ano que vem. Em décimo lugar na Série B restando oito partidas para o término do campeonato, a equipe campineira está a seis pontos do G4, o grupo de acesso à primeira divisão.

Confira a nota divulgada à imprensa pela Ponte Preta

A Ponte Preta registrou Boletim de Ocorrência na manhã desta quinta (24) para que a Polícia apure uma mentira que vai além das fake news: ontem à noite circulou uma mensagem em grupos de redes sociais afirmando que a Polícia Civil estaria investigando um diretor da Macaca por fraudes e que inclusive haveria uma prisão preventiva no dia de hoje. Tudo mentira e, mais ainda, uma calúnia que irá gerar também uma ação na Justiça.

O perfil de torcedor que colocou o post - e o apagou posteriormente - pertence supostamente a um engenheiro de Americana e já está sendo investigado para verificar se trata de um fake ou não. Se for real, o internauta já terá que prestar depoimento e será responsabilizado. Se fake, a Polícia irá atrás de informações buscando identificar o autor. Certo mesmo é que a "notícia" postada é uma invenção sem precedentes, com claro objetivo de prejudicar a imagem da diretoria da Macaca: não existe fraude, não existe investigação da Polícia Civil, não existe gravação comprometedora.

O que existe, de fato, é uma campanha de difamação e de truculência, inclusive física, desferida por intenções espúrias. Trata-se não de política, mas de politicagem, da mais baixa estirpe, e neste momento em especial é preciso alertar a opinião pública para que tenha muito cuidado com informações deste tipo - até mesmo para repassá-las, pois por melhores as intenções isso pode acabar configurando cumplicidade em ilícito - e para que não acredite em tudo o que lê.

Todas as medidas legais para coibir e punir a falsa informação estão sendo tomadas e a Ponte Preta reforça seu compromisso com a verdade e a transparência.

Futebol