Topo

Associados querem ingressos um dia antes de sócios-torcedores no Flamengo

Torcida do Flamengo tem lotado o Maracanã em todos os jogos do time no ano - Leo Burlá / UOL Esporte
Torcida do Flamengo tem lotado o Maracanã em todos os jogos do time no ano Imagem: Leo Burlá / UOL Esporte

Alexandre Araújo e Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/09/2019 04h00

Uma proposta de emenda estatutária que está sendo costurada por associados do Flamengo está gerando polêmica dentro da Gávea e um debate entre sócios-torcedores do Rubro-negro.

Pelo texto que foi elaborado por este grupo, todos os sócios do clube (categorias Grande-Benemérito, Benemérito, Emérito, Remido, Laureado, Proprietário, Patrimonial e Contribuinte) teriam prioridade número 1 na compra de ingressos de jogos do time, benefício hoje aplicado aos torcedores que fazem parte do plano "+ Paixão", que custa R$ 269 por mês.

São necessárias 50 assinaturas de conselheiros para que o tema entre em pauta no Conselho Deliberativo. Caso o plano vá adiante e seja aprovado, eles poderiam fazer a compra com 24 horas de antecedência em relação aos sócios-torcedores - algo que, segundo o documento, era um hábito até 2012. A movimentação de bastidores foi inicialmente noticiada pelo "Extra".

"Considerando que, pelo menos até 2012, os associados do CRF sempre tiveram como hábito, em consequência de notório direito tácito e tradicional, garantir a compra e aquisição de ingressos nas dependências do CRF, pessoalmente, com geralmente 1 (um) dia de antecedência do início das vendas para os demais interessados", garante parte da minuta que está sendo elaborada.

Os sócios do clube, que automaticamente integram o "Raça" (prioridade 6 na compra), entendem que estão sendo preteridos nesta corrida por bilhetes, já que os ingressos acabam muito antes dos integrantes desta categoria "mais baixa" terem a chance de adquirir as entradas. Eles têm a possibilidade de fazerem 'upgrade' para outros planos com o abatimento automático dos R$ 49,90, valor do plano "Raça".

"Os sócios das categorias Grande-Benemérito, Benemérito, Emérito, Remido, Laureado, Proprietário, Patrimonial e Contribuinte sempre terão prioridade exclusiva para compra e aquisição de ingressos comercializados direta ou indiretamente pelo Flamengo, para competições ou espetáculos de diversão organizados pelo Flamengo e para os quais o Flamengo seja participante", informa trecho do documento.

Seriam garantidos "os melhores descontos eventualmente praticados na comercialização dos ingressos", mas estas pessoas só seriam contempladas se estivessem quites com suas obrigações, tivessem acima de 18 anos, tivessem mais de dois anos de vida associativa ininterrupta, se Proprietário, e três anos, se Patrimonial ou Contribuinte, contados da data de admissão; além de não terem sido punidos pelo clube nos últimos três anos.

A proposta divide opiniões inclusive entre possíveis beneficiários da medida, que entendem não ser justo colocar milhares de pessoas na frente da fila única e simplesmente por elas participarem da vida associativa rubro-negra. No último pleito presidencial, cerca de 8 mil pessoas estavam aptas ao voto. Caso todas recebam este direito, os tíquetes se esgotariam ainda mais rapidamente e poderiam esvaziar o "Nação".

Os entusiastas da ideia, por outro lado, se baseiam no fato de que já compraram um título do clube e pagam taxas altas mensais de manutenção. Atualmente, o Fla tem quatro categorias de sócios estatutários: Proprietário (título R$ 15 mil e taxa de manutenção de R$ 142), Patrimonial (R$ 7,2 mil e R$ 284), Contribuinte (R$ 198 sem aquisição de título) e Off-Rio (R$ 56 sem título).

Alguns conselheiros adeptos ao parecer ressaltam que, historicamente, o número de sócios que adquirem ingressos para as partidas não chega a 5%. Desta forma, apontam que o impacto da proposta no plano de sócios-torcedores seria muito pequeno. A longo prazo, acreditam ainda que poderia haver uma adaptação, de acordo com o tempo de associação e regularidade, no plano de sócio-torcedor, fazendo com que alguns passassem a ser sócios do clube, aumentando o número de pessoas ativas na vida política do Rubro-Negro.

O UOL Esporte apurou que a proposta dificilmente terá êxito no clube. Há integrantes do Conselho Deliberativo que entendem que esta matéria compete apenas ao Conselho Diretor, capitaneado por Rodolfo Landim. O presidente e seus pares, por sua vez, não enxergam possibilidade de colocar esta agenda em debate este ano. Na briga pelo título do Campeonato Brasileiro e na Libertadores, o Fla vive uma explosão em seu programa e já bateu a casa dos 150 mil inscritos.

Mais Flamengo