Topo

Futebol


Vice do Inter critica VAR em gol de Neilton e lembra Corinthians x Bahia

Do UOL, em Porto Alegre

22/09/2019 14h43

Roberto Melo, vice de futebol do Internacional, reclamou da arbitragem de Diego Pombo. O dirigente gaúcho contestou a decisão de anular gol marcado por Neilton, no segundo tempo da partida contra a Chapecoense hoje (22), e ainda citou ocorrências da partida entre Corinthians e Bahia para criticar o protocolo árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro.

O Inter venceu a Chapecoense por 1 a 0, gol marcado por Rodrigo Lindoso, mas teve dois gols anulados. Além do lance concluído por Neilton, no primeiro tempo o chute de Wellington Silva não valeu após o VAR apontar impedimento do camisa 11 do clube gaúcho.

"Acho que o VAR está sendo usado de uma maneira que nos preocupa. Não estou só reclamando porque nos prejudicou, pode ter nos beneficiado há pouco, mas pelo critério. O primeiro gol não vou falar, me parece que é usado recurso tecnológico e não vou discutir isso. Fomos beneficiados contra o Bahia, em um gol do Lindoso, também por esse recurso. Mas o segundo gol me parece um absurdo. Contato acontece a todo momento e se aquele lance é suficiente para anular um gol, o Guerrero sofre dois ou três pênaltis por jogo. Toda hora ele é puxado, empurrado", disse Roberto Melo, vice de futebol do Internacional.

O lance em questão ocorreu aos 35 minutos do segundo tempo. Nico López levantou bola na área e Edenilson disputou pelo alto com Bruno Pacheco. O lateral esquerdo da Chapecoense foi empurrado por trás e não chegou até a bola, que sobrou para Guilherme Parede servir Neilton dentro da área. Antes do recomeço do jogo, o VAR se manifestou e Diego Pombo anulou a jogada por falta em Pacheco.

"No jogo com o Corinthians vimos um pênalti absurdo não marcado contra o Bahia e o próprio treinador, Roger, falou que deram outro depois para compensar. Lances que não deveriam ser chamados o VAR chama. Isso nos preocupa. Tivemos que fazer três gols para valer um. O segundo, principalmente, sem motivo de nenhum", reiterou Melo.

Mais Futebol