Topo

Futebol


Inter vence a Chapecoense e ganha fôlego após vice da Copa do Brasil

Do UOL, em São Paulo

22/09/2019 12h58

Neste domingo (22), o Internacional recebeu a Chapecoense, no estádio Beira-Rio, às 11 horas, pela 20° rodada do Campeonato Brasileiro, e conseguiu a vitória por 1 a 0 nos minutos finais, gol marcado pelo volante Rodrigo Lindoso.

Com o resultado obtido neste fim de semana, o colorado volta aos G4 do Brasileirão, ultrapassando o São Paulo e Corinthians, que venceram Botafogo e Bahia, respectivamente. Pelo lado da Chape, a situação fica ainda mais complicada para fugir da zona de rebaixamento; no momento a equipe tem 14 pontos e ocupa a vice-lanterna.

Na próxima rodada, o Internacional não deverá ter vida fácil já que enfrenta, fora de casa, o Flamengo, líder do Campeonato Brasileiro e com o melhor desempenho como mandante dentre todos os 20 times. Já a Chapecoense receberá o Corinthians, que conseguiu uma importante vitória na última rodada ao bater o Bahia, por 2 a 1, gols de Vágner Love e Clayson.

QUEM FOI BEM: RODRIGO LINDOSO

Mesmo aparecendo em poucos momentos, o meia foi fundamental para o triunfo do Internacional já que marcou o único gol da partida, nos minutos finais, quando parecia que o jogo terminaria empatado por 0 a 0. Além disso, o jogador era um dos que mais tentava criar jogadas a favor do sistema ofensivo dos donos da casa.

QUEM FOI MAL: PATRICK

O meia do Internacional teve mais uma partida abaixo do esperado com a camisa colorada. Um dos mais vaiados pela torcida antes do início do jogo, Patrick pouco apareceu no ataque e teve dificuldade em ajudar na criação da equipe, um dos pontos fracos nas últimas partidas. O que deixa a situação mais crítica é o fato do atleta ter feito um início de ano espetacular, sendo um dos destaques do forte elenco comandado por Odair Hellmann.

ATUAÇÃO DO INTERNACIONAL

O Internacional começou o jogo com intensidade e querendo mostrar que o vice-campeonato da Copa do Brasil não iria abalar o desempenho do time no Campeonato Brasileiro, mas foram poucos os minutos de euforia dos donos da casa. A falta de criatividade no meio-campo e a lentidão na transição defesa para o ataque fazia com que o grupo comandado por Odair Hellmann pouco incomodasse a defesa sólida do time catarinense.

O time usava muito os laterais, mas os atacantes de ponta (Nico López e Wellington Silva) tinham muita dificuldade de quebrar as linhas da Chapecoense e pouco conseguiram finalizar, sendo um dos raros bons chutes foi anulado pelo VAR. O triunfo veio mais pela insistência do que pela estratégia bem montada.

ATUAÇÃO DA CHAPECOENSE

O técnico Marquinhos Santos escalou o time catarinense com três atacantes, buscando aproveitar a velocidade dos seus jogadores de frente. No entanto, a formação mais ousada não evitou que o time se postasse defensivamente e marcasse intensamente os adversários colorados. No primeiro tempo, o time fechou bem as laterais e povoou o meio-campo, tanto que não era raro ver os 10 atletas de linha no campo de defesa quando o Internacional tinha a posse de bola.

Porém, a equipe perdeu fôlego nos minutos finais do confronto e cedeu o gol nos minutos finais, após erro de marcação no escanteio cobrado pelo lado esquerdo. Curiosamente, Tiepo já tinha feito dois milagres para evitar o tento colorado.

HISTÓRIA DO JOGO

Como já era esperado, o Inter tomou conta das ações ofensivas nos minutos iniciais, querendo se impor e tentar marcar logo no começo para dar um pouco mais de tranquilidade ao time que ficou com o vice-campeonato da Copa do Brasil na última quarta-feira (18). O primeiro lance de perigo aconteceu aos três minutos, quando Rodrigo Lindoso aproveitou cruzamento de Nico López e cabeceou por cima da meta defendida pelo goleiro Tiepo.

Minutos depois da tentativa do volante colorado, os donos da casa tiveram outra oportunidade, desta vez com Wellington Silva, que tabelou com Guerrero na entrada da grande área, mas perdeu na velocidade para o arqueiro adversário, que saiu do gol para evitar um arremate de perigo.

Apesar da insistência dos donos da casa e do controle da posse de bola, o jogo era equilibrado no meio-campo e o calor também não ajudava o ritmo da partida, que se mostrava mais lenta do que intensa.

O enredo do segundo tempo foi o mesmo, com o Inter buscando mais o jogo e os visitantes demonstrando que não estavam incomodados com aquele empate por 0 a 0. A grande chance dos donos da casa aconteceu aos 27 minutos, quando Nico López ganhou na corrida do defensor e chutou por cima do gol defendido pelo arqueiro catarinense.

Depois de dois pequenos milagres do goleiro da Chapecoense, os donos da casa conseguiram o triunfo após a insistência do ataque colorado. Na ocasião, Rodrigo Lindoso aproveitou o rebote para balançar as redes a favor do colorado.

VAR

Aos 28 minutos do primeiro tempo aconteceu o gol de Wellington Silva, que aproveitou a bola sobrada na entrada da área para estufar as redes da Chapecoense. Porém a comemoração durou pouco, já que o árbitro de vídeo entrou em ação pela primeira vez na partida e anulou o tento o Internacional, com a arbitragem alegando posição irregular do atacante colorado.

O árbitro de vídeo apareceu novamente no segundo tempo, desta vez aos 37 minutos. Os donos da casa fizeram o gol com Neílton, porém o lance foi invalidado por uma falta de Edenílson no defensor Bruno Pacheco.

TORCIDA

A torcida colorada mostrou sua insatisfação com o desempenho recente do time antes mesmo da bola rola no Beira-Rio. Os mais vaiados foram o lateral-direito Bruno, o volante Edenílson, o meia Patrick e o técnico Odair Hellmann; nomes que, curiosamente, tinham bastante prestígio no começo do ano pelos fãs do Internacional.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 1 X 0 CHAPECOENSE

Campeonato Brasileiro - 20° Rodada
Local:
Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA) e Jucimar dos Santos Dias (BA)
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartões Amarelos: Camilo, Gum, Everaldo e Tiepo (Chapecoense)
Público e Renda: 24.362 presentes (20.104 pagantes) e R$ 904.128,00
Gol: Rodrigo Lindoso, aos 39 minutos do segundo tempo

Internacional: Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel (Neílton); Rodrigo Lindoso, Edenílson e Patrick; Nico López (Sarrafiore), Paolo Guerrero e Wellington Silva (Guilherme Parede). Técnico: Odair Hellmann

Chapecoense: Tiepo; Eduardo, Gum, Rafael Pereira (Douglas) e Bruno Pacheco; Márcio Araújo, Elicarlos e Camilo; Arthur Gomes, Renato (Henrique Almeida) e Everaldo. Técnico: Marquinhos Santos

Mais Futebol