Topo

Futebol


Ligado, Goiás volta a vencer e empurra apático Fluminense de volta ao Z-4

Do UOL, no Rio de Janeiro

22/09/2019 21h00

A semana não foi nada fácil. Além das três derrotas seguidas, o Goiás lidou com vandalismo em sua sede e com a morte de um funcionário logo na segunda-feira. O que tinha tudo para desanimar a equipe virou motivação. Mais concentrado, o Esmeraldino entrou em campo com tudo e venceu o apático Fluminense por 3 a 0, gols de Michael, Rafael Vaz e Yago Felipe, e afundou o Tricolor na zona de rebaixamento.

Do outro lado, o Flu pareceu um arremedo. Sem brio ou cara, a equipe nem parecia que dependia só de si para sair da situação ruim e ultrapassar um adversário direto contra o descenso. Nem as mexidas ofensivas e a polêmica expulsão de Breno, no segundo tempo, serviram de combustível para o time de Oswaldo de Oliveira, que não à toa acabou derrotada.

Com a derrota, o Tricolor parou nos 18 pontos e voltou à zona de rebaixamento, na 17ª colocação. Já o Goiás ganhou três posições e chegou à 12ª posição, com 24 pontos, abrindo seis de vantagem ao Z-4.

O jogo

A partida mal esquentou e o Esmeraldino já saiu na frente. Aos 11, em lambança de Digão e Frazan, que ficaram no "deixa que eu deixo" na entrada da área, Kayke chutou no canto e Muriel espalmou. No rebote, Michael deu drible de corpo em Gilberto e chutou no gol vazio para abrir o placar.

A vantagem fez a equipe comandada por Ney Franco jogar mais solta. Nervoso e na zona de rebaixamento, o Fluminense esbarrava nas próprias limitações para reagir. Sem um jogador de velocidade em campo, o Tricolor era lento e virava presa fácil para as duas linhas de quatro armadas pelos donos da casa. O segundo tempo acabou sem que o time de Oswaldo de Oliveira incomodasse o goleiro Tadeu.

Na volta para a segunda etapa, o Flu até ensaiou uma pressão. Mas a equipe seguia em ritmo modorrento. As mexidas táticas feitas pelo treinador, que pediu para Ganso recuar e inverteu Nenê e Yony González nas pontas, tampouco funcionaram. Muito pelo contrário. Aos 20, Rafael Vaz, marcado pelo volante Yuri, se aproveitou da vantagem de altura e subiu para cabecear no ângulo, sem chances para Muriel, aumentando a fatura.

A conversa de Oswaldo com Marcão à beira do campo, que se arrastou por cerca de 10 minutos, demorou tanto que a mexida na equipe precisou ser emergencial. O treinador lançou Marcos Paulo e tirou Yuri, abrindo a equipe e voltando ao esquema antigo, que não mostrou resultado até aqui no Brasileirão. E não foi dessa vez: a transição seguiu lenta, os atacantes isolados, o time espaçado e o Flu não incomodou o Goiás em nenhum momento. Ainda deu tempo do golpe de misericórdia: aberto, Tricolor cedeu tanto espaço que Yago Felipe avançou sem ser incomodado, recebeu de Kaio em velocidade e encobriu Muriel para fechar o placar.

Revelação, Michael leva zaga tricolor à loucura

O atacante Michael a cada rodada parece se consolidar como a grande revelação do Campeonato Brasileiro. O camisa 11 do Goiás flutuou entre as pontas e o meio e levou a zaga tricolor à loucura no Serra Dourada. Veloz e habilidoso, o ensaboado jovem de 22 anos marcou o dele e foi o melhor jogador da equipe em campo. Sem medo de driblar, o jogador é raro por procurar o gol e o confronto direto em todas as jogadas, levando a melhor na maioria delas.

Digão participa de lambança e tem mais uma atuação ruim

O capitão Digão não vive boa fase no Fluminense. Desde que voltou da fratura sofrida na perna esquerda, o zagueiro tricolor não repetiu as boas atuações que teve em seu retorno ao clube em 2018. O jogador parece ter perdido parte da força e velocidade que o notabilizava e não consegue repor com experiência e qualidade. Ao lado do também lento Frazan, protagonizou lambança inacreditável aos 11 minutos que permitiu o Goiás abriu o placar com Michael. Além disso, levou a pior na maioria dos embates diretos com a jovem revelação esmeraldina e com Kayke, seu antigo companheiro no Flu.

No xadrez, Ney Franco também bate Oswaldo

Criticado pelo mau momento do Goiás, que venceu apenas duas vezes em 12 jogos, o técnico Ney Franco foi bem neste domingo. Além de escolher uma escalação mais equilibrada, com Léo Sena no meio-campo formando duas linhas de quatro e liberando Michael, o treinador também soube mexer na equipe. Já em vantagem, soube explorar o lento time tricolor ao colocar Breno e Kaio, mais velozes, nas vagas dos já amarelados Gilberto e Léo Sena.

Com as mexidas, o Esmeraldino ficou ainda mais veloz e soube ser vertical, explorando os contra-ataques a partir dos buracos abertos pelo próprio Oswaldo de Oliveira em sua equipe ao tirar Yuri e Frazan da equipe em prol das entradas de Marcos Paulo e Lucão, que mal tocaram na bola.

Homenagem póstuma

Na comemoração de seu gol, Michael buscou uma placa para homenagear o analista de desempenho do clube, Rafael Teixeira Rocha, que morreu nesta semana em decorrência de complicações de uma cirurgia bariátrica, aos 38 anos.

- Sei que ele não está aqui, mas queria homenagear a família dele. Mostrar que a gente sente muito essa perda e que realmente amávamos aquele cara. Aqui vai nosso obrigado e a gratidão que fica para sempre - declarou Michael.

FICHA TÉCNICA

GOIÁS 3 X 0 FLUMINENSE

Local:
Serra Dourada, em Goiânia
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Johnny Barros de Oliveira (ambos de SC)
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: Daniel Guedes, Gilberto, Léo Sena e Leandro Barcia (todos do Goiás).
Cartão vermelho: Breno.
Gols: Michael, aos 11 minutos do 1º tempo; Rafael Vaz, aos 20 minutos do 2º tempo, e Yago Felipe, aos 43 minutos do 2º tempo.

GOIÁS: Tadeu, Daniel Guedes, Fábio Sanches, Rafael Vaz e Jefferson; Gilberto (Breno), Yago Felipe e Léo Sena (Kaio); Barcia, Michael e Kayke. Técnico: Ney Franco.

FLUMINENSE: Muriel, Gilberto, Frazan (Lucão), Digão e Caio Henrique; Yuri (Marcos Paulo), Allan, Ganso e Nenê; Yony González e João Pedro. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Mais Futebol