Topo

Retranca? Postura do Inter fora de casa é mais ofensiva do que parece

Odair Hellmann foi alvo de críticas da torcida pela postura do Inter fora de casa - Ricardo Duarte/UOL
Odair Hellmann foi alvo de críticas da torcida pela postura do Inter fora de casa Imagem: Ricardo Duarte/UOL

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

14/09/2019 19h00

Após perder para o Athletico Paranaense na quarta-feira, no jogo de ida da final da Copa do Brasil, o Internacional viu o debate sobre sua postura fora de casa tomar a torcida. Entre críticas, parte dos aficionados pede a Odair Hellmann um time mais ofensivo. Porém, o Colorado volta a atuar como visitante neste domingo, às 11h (de Brasília), contra o Atlético-MG, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro, com números que mostram que a conduta longe do Beira-Rio não é bem o que parece.

O Colorado utilizará equipe reserva por priorizar a Copa do Brasil, que será decidida na próxima quarta-feira. Mas o plano tático dos suplentes e a postura em campo repetem o time principal.

Ainda que a torcida tenha reclamado bastante do time fechado principalmente no primeiro tempo contra o Athletico, as estatísticas da equipe em jogos como visitante não desenham este cenário.

Segundo números do Footstats, o Internacional é o time com maior média de finalizações por jogo fora de casa na Copa do Brasil. Na mesma estatística, está em segundo no Brasileirão e foi eliminado como primeiro na Libertadores.

O mesmo pode ser visto em números de posse de bola. O Inter é o sexto entre as 20 equipes do Brasileiro que mais mantém a redonda sob seu domínio quando atua como visitante. Além disso, é o oitavo clube que mais troca passes no mesmo cenário.

O único critério ofensivo em que o Colorado não aparece bem colocado é a "assistência para finalização". Com preferência por cruzamentos, bolas paradas ou mesmo retomadas para concluir, o Inter é o penúltimo neste quesito.

Ou seja, o time gaúcho não abre mão da posse de bola, das trocas de passes ou mesmo das conclusões quando atua longe do Beira-Rio. Encontra outros caminhos que não a construção apoiada para chegar ao ataque.

Isso se deve à característica dos jogadores do elenco. Como D'Alessandro é o principal, e talvez único, criativo do grupo, quando ele não atua a construção se torna mais difícil. Assim, a equipe é organizada para tentar propor outra maneira de jogar na fase ofensiva, com jogo mais físico e direto.

Comparativo com jogos no Beira-Rio

Segundo números obtidos pela reportagem do UOL Esporte, a diferença entre o desempenho em casa e fora é muito pequena. Enquanto o Inter faz, em média, 17,3 desarmes atuando no Beira-Rio, realiza 15,4 fora dele. Destes, 26,5% são no campo do adversário quando atua em casa, e 25,4% fora de casa. Ou seja, tanto no Beira-Rio quanto fora dele, um quarto das retomadas são no campo rival, contrariando a tese de que a equipe apenas "recua as linhas e se retranca".

Além disso, tanto em casa quanto fora, a posse de bola é superior a 50%, em média, e a velocidade do jogo proposto pela troca de passes é praticamente a mesma. Em casa, um passe trocado leva 4,5 segundos. Fora, 5,1. A diferença é inferior a um segundo.

No Beira Rio, o Inter chega, em média, 35 vezes ao quadrante final de campo, ou seja, mais perto do gol adversário. Fora de casa a marca cai para 30. Ainda que menor, por razões óbvias, a chegada à frente segue presente como visitante.

No Brasileirão, o número de pontos fora não é o melhor. Em oito jogos, uma vitória, um empate e seis derrotas, com apenas quatro gols marcados. Por outro lado, na Libertadores, o time gaúcho perdeu apenas um jogo como visitante em toda competição, registrou três vitórias e um empate. Na Copa do Brasil, venceu duas e perdeu duas no mesmo cenário.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG x INTERNACIONAL

Motivo: 19ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Independência, em Belo Horizonte
Data: 15 de setembro de 2019 (domingo)
Horário: às 11h (de Brasília)
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Assistentes: Silbert Faria Sisquim (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
VAR: Grazianni Maciel Rocha (RJ)

Atlético-MG: Cleiton; Patric, Réver, Leonardo Silva e Fábio Santos; Ramón Martínez, Elias, Juan Cazares e Vinícius; Yimmi Chará (Bruninho) e Ricardo Oliveira. Técnico: Rodrigo Santana.

Internacional: Danilo Fernandes; Heitor, Klaus, Emerson Santos e Zeca; Rithely, Nonato, Neílton, William Pottker e Guilherme Parede; Rafael Sobis. Técnico: Odair Hellmann.