Topo

Após derrota do Flu para o CSA, Diniz admite pressão e reclama do VAR

Fernando Diniz lamentou chances desperdiçadas pelo Fluminense contra o CSA - Thiago Ribeiro/AGIF
Fernando Diniz lamentou chances desperdiçadas pelo Fluminense contra o CSA Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

18/08/2019 19h19

Depois da derrota do Fluminense para o CSA, na tarde de hoje (18), no Maracanã, o técnico Fernando Diniz falou sobre a pressão por melhores resultados, lamentou as chances desperdiçadas pelo time tricolor e ressaltou os erros do VAR, avaliando ter existido dois pênaltis não marcados a favor da equipe carioca.

Com o placar, o Tricolor voltou à zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, uma vez que o Cruzeiro venceu o Santos.

"Em time grande, estamos sempre pressionados. Ainda mais na situação que o Fluminense está. Está todo mundo pressionado. Lido bem com a pressão e não jogo a toalha. Sigo lutando para que as coisas deem certo. Todo mundo está pressionado, e eu ainda mais. Não vou procurar outros culpados. Mas tivemos boas chances hoje e em outros jogos também. O time tem jogado bem", disse ele, afirmando ainda não ter conversado com a diretoria do Fluminense:

"Por enquanto, ainda não conversamos. Isso é uma decisão da diretoria. Temos uma cultura do resultado, de fato. Trabalho de maneira contundente naquilo que gosto de fazer. Pegamos jogadores desconhecidos e hoje temos atletas convocados, revelação do João Pedro, Marcos Paulo, recuperação do Julião... E os jogadores que foram se destacando a gente perdeu precocemente. Essa situação na tabela é um desafio muito grande. Mas é um time que não oscila, joga e cria. Mas por um erro perdemos a partida. Não falei com ninguém ainda".

Ao fim da partida, Diniz foi alvo de protestos por parte da torcida presente ao Maracanã, que também chamou o time de "sem vergonha".

"O torcedor está aborrecido, natural, mas também está apoiando muito, acreditando. No final do jogo, é normal vaiar. Aceitamos. Estamos muito chateados também pelo torcedor ter de fazer esse protesto legítimo", sinalizou.

O treinador do Fluminense lembrou o número de oportunidades de gol desperdiçadas no decorrer do duelo com o CSA.

"Tivemos um volume grande de finalizações, muitas delas chances claras. Eu me recordo de, pelo menos, umas sete. Infelizmente, não conseguimos fazer o gol. Não sei explicar porque a bola não entra. Treinamos muito. Fora isso, tivemos dois pênaltis não marcados", afirmou.

O comandante fez reclamações quanto ao VAR, apontando que dois pênaltis a favor do Fluminense não foram assinalados pela arbitragem - um em Daniel e outro em Ganso. No lance em cima do camisa 10, o CSA conseguiu o contra-ataque e chegou ao gol da vitória - além de ter recordado de momentos também de rodadas anteriores.

"Sobre o VAR, hoje tivemos dois lances claros, dois pênaltis. Um no Daniel e outro no Ganso. Ainda teve a expulsão do Frazan e do Digão, contra o Vasco. No jogo contra o Goiás, tivemos um gol anulado que foi legítimo. Depois, o gol do Goiás foi em uma falta inexistente. Posso falar isso, mas não tenho mania de perseguição. O jogo de hoje é difícil de engolir".