PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Mourinho quer seguir na Europa, mas não descarta ser treinador no Brasil

José Mourinho, durante participação antes de jogo do Santos na Sul-Americana - Reprodução/YouTube
José Mourinho, durante participação antes de jogo do Santos na Sul-Americana Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

12/02/2019 19h29

sé Mourinho participou do pré-jogo de River Plate-URU x Santos, nesta terça-feira (12), pela Copa Sul-Americana. Durante interação com a apresentadora Mari Fontes e com o ex-goleiro Júlio César no DAZN, o português não descartou ser treinador no Brasil.

Leia também:

Emiliano Sala: Presidente do Cardiff quer "respostas" antes de pagar Nantes
Ex-jogador do Real alfineta Barça e conta os dias para Messi se aposentar
Jogador do Flamengo faz tatuagem em homenagem às vítimas do incêndio

"Vocês têm uma cultura muito própria. Eu tento conhecer o melhor possível. Os fatos de trabalhar com muitos brasileiros e de passar muitas férias no Brasil fazem com que eu conheça um pouco do Brasil. Nunca diria 'dessa água não beberei', mas, por enquanto, meus planos são de continuar aqui na Europa", disse.

Mourinho está sem clube desde que deixou o Manchester United em dezembro do ano passado e contou que conhece bem o futebol brasileiro.

"Em um determinado momento da minha carreira, quando eu era assistente do Porto, fui muitas vezes ao Brasil ver jogos. Assim, conheço praticamente todos os clubes grandes brasileiros. Eu me apaixonei um tanto por esse futebol no estado puro, essa criatividade, essa inventividade. Tenho um carinho pelo futebol sul-americano que chamo de paixão. Esse drama, as brigas, no bom sentido. Por exemplo, as eliminatórias europeias têm jogos sem nenhum tipo de competitividade. Na América do Sul, até nisso há drama, há equilíbrio em todos os jogos", afirmou.

O português também aproveitou para analisar a chegada de Jorge Sampaoli ao Santos. De acordo com Mourinho, o time alvinegro é a chance do argentino se recuperar de um passo atrás, que foi o fracasso com a seleção argentina.

"Eu diria que para um europeu chegar a um país sul-americano e ter sucesso deve ser muito difícil. A adaptação da cultura do país deve até ser mais fácil, mas entender a cultura futebolística deve ser mais difícil. Não é o caso do Sampaoli, até porque ele é argentino e conhece melhor o futebol brasileiro. Agora ele vai com tudo para tentar recuperar esse passo atrás que ele deu na carreira e que deve ter sido muito doloroso, porque treinar a seleção argentina deveria ser o sonho dele", declarou.

Nina, do Dibradoras, comenta empate do Santos: "Resultado satisfatório"

UOL Esporte

Futebol