PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Filho de Roberto Shinyashiki brilha nos EUA e briga por uma vaga na MLS

Na temporada 2018 da NCAA, André Shinyashiki fez 28 gols em 21 jogos e foi indicado a prêmio de melhor veterano da liga universitária; desempenho deve abrir portas na MLS - Divulgação
Na temporada 2018 da NCAA, André Shinyashiki fez 28 gols em 21 jogos e foi indicado a prêmio de melhor veterano da liga universitária; desempenho deve abrir portas na MLS Imagem: Divulgação

Emanuel Colombari

Do UOL, em São Paulo

24/11/2018 07h22

O brasileiro Andre Shinyashiki é finalista do Senior Class Award, premiação anual que coroa os atletas que estão no último ano da carreira universitária nos Estados Unidos. Atacante do Denver Pioneers, time de futebol da Universidade de Denver, ele é um dos dez candidatos ao prêmio na categoria futebol masculino.

Você deve ter reconhecido o sobrenome de Andre. Ele é quarto dos cinco filhos de Roberto Shiniyashiki, psiquiatra, palestrante e escritor de livros de autoajuda. Nascido em junho de 1997, foi o primeiro filho da relação com Claudia Shinyashiki – o pai teve ainda Leandro, Ricardo e Arthur, de dois relacionamentos anteriores, e Marina, a caçula.

Na juventude, o paulistano Andre foi atleta do Pequeninos do Jockey, tradicional time amador de São Paulo pelo qual já passaram jogadores como Zé Roberto, Julio Baptista e André Luiz (ex-São Paulo, Corinthians e Santos). Nos EUA, formou-se no high school (equivalente ao ensino médio) na Montverde Academy, na Flórida, em 2014.

Leia também:

André é filho de Roberto Shinyashiki e tenta carreira no futebol dos Estados Unidos - Facebook/Reprodução - Facebook/Reprodução
André é filho de Roberto Shinyashiki e tenta carreira no futebol dos Estados Unidos
Imagem: Facebook/Reprodução
Segundo informações da Universidade de Denver, o brasileiro fez parte do time da Montverde Academy que conquistou uma série de 117 jogos sem derrota. O site da equipe se orgulha de jogadores profissionais revelados ali, como o costarriquenho Diego Vega (atualmente no Chicago Fire) e o senegalês Oumar Diakhite (que defende o Estoril em Portugal).

“Na Montverde Academy, eu pude realmente me concentrar no futebol e nos estudos. Não haviam distrações, porque tínhamos que ficar focados”, contou o brasileiro em entrevista publicada por sua antiga equipe em setembro. “Havia um plano rigoroso, com regras estritas; isso é importante, porque me mostrou como ser disciplinado e andar na linha com a escola e o esporte.”

A carreira universitária

Andre começou sua carreira esportiva universitária no Pioneers, time de futebol da Universidade de Denver, em 2015. Na Division I do torneio masculino de futebol da NCAA, ele disputou todas as 19 partidas daquele ano, sendo 16 como titular, marcando cinco gols e dando duas assistências. O time, porém, caiu na segunda fase dos playoffs para a College Cup diante da SMU Mustangs por 1 a 0, com gol na prorrogação, deixando escapar a vaga nas oitavas de final.

Os números da equipe melhoraram na temporada seguinte. Os Pioneers caíram nas semifinais da College Cup diante do Wake Forest Demon Deacons por 2 a 1. O brasileiro jogou todos os 24 jogos de 2016, sendo 13 como titular. Foram nove gols e cinco assistências na campanha.

Em 2017, o time de Denver perdeu a Summit League (uma espécie de classificação regional para a College Cup) para o Omaha Mavericks nos pênaltis. Embora tenha ficado longe do título nacional, o time contou com nove gols e quatro assistências do brasileiro em seu ano.

Campeão da Summit League em 2018, o Denver Pioneers caiu de novo na segunda fase nacional da Division I da NCAA. Eliminado em casa pela Air Force Falcons por 2 a 1, ficou mais uma vez pelo caminho na briga pelo título. No entanto, com 21 jogos na temporada, todos como titular, Andre desequilibrou: foram 28 gols (média de 1,33 gol/jogo) e quatro assistências.

A explosão na temporada, segundo ele, foi resultado de "muitos fatores". “Na off season, quando a gente fica mais ou menos cinco meses sem ter jogos, eu trabalhei muito forte na academia, dei a vida no físico e no campo para melhorar todos os aspectos: finalização, parte física, cabeçada. Isso me ajudou. A gente contratou um assistente técnico novo que me ensinou sobre posicionamento e ensinou os nossos jogadores a como passar a bola para eu fazer o gol”, disse André, em entrevista ao UOL Esporte.

“E acho que teve também um pouco de sorte, né? A gente tem que contar com a sorte às vezes. Nos últimos anos, muitas vezes eu fazia jogadas e não conseguia finalizar, e esse ano deu certo. Esse ano, tudo deu certo a maioria do tempo. Quando não deu certo, eu tive a paciência de manter a cabeça erguida e continuar indo”, completou.

Com os números em ascensão, Andre conquistou o técnico dos Pioneers, Jamie Franks. “Andre é um dos jogadores mais voluntariosos que eu conheço. Ele nunca pede a ninguém para fazer algo que ele mesmo não pretende fazer”, disse o treinador em entrevista ao site do Senior Class Award.

“Ele compreende, como líder de sua equipe, que é sua função construir as pessoas, que é sua função manter os padrões e as expectativas de todo mundo. E, mais importante: eu o vi crescer, durante seus quatro anos, em sua habilidade para motivar e apoiar pessoas. Ele melhorou sua atenção e seu foco. Nunca está satisfeito onde está e, não importa quão bem ou mal ele jogue, continua crítico consigo – o que não é um problema”, completou.

Shinyashiki jogando - Divulgação - Divulgação
Elogiado, Andre Shinyashiki é nome forte para o próximo draft da MLS; por enquanto, meta é carreira nos EUA ou na Europa
Imagem: Divulgação
A divulgação do nome do vencedor do prêmio será feita na final da College Cup 2018, no dia 9 de dezembro, em Santa Barbara (Califórnia). Independente do resultado, Andre Shinyashiki já surge como nome forte a ser escolhido nas primeiras rodadas do Super Draft da MLS em 2019, que acontece em 11 de janeiro. E ele sabe disso.

“Estou bem animado para ver o que vai acontecer. Tem praticamente um mês para treinar e me preparar para o draft. Era o plano desde o começo. Eu nunca descartei Europa nem nada do tipo, mas sempre foi o plano ir para o draft. Estou com o nome forte, e se Deus quiser, vou estar numa das primeiras picks”, disse à reportagem o brasileiro, que vê o Brasil como um objetivo distante no momento.

“O mercado brasileiro é um mercado que me interessa muito no futuro. Minha família mora no Brasil, meus amigos, é um lugar do qual eu obviamente sinto muitas saudades. Penso em voltar no futuro. No momento, estou focado em MLS, na Europa, porque sei que é difícil os scouts brasileiros virem ver aqui (nos EUA), mas não descarto possibilidade”, completou.

Confira os finalistas ao Senior Class Award 2018 (categoria futebol masculino):

  • Ryder Bell (atacante, College of William & Mary)
  • Alex Comsia (defensor, University of North Carolina, Chapel Hill)
  • Brad Dunwell (meio-campista, Wake Forest University)
  • Mark Forrest (atacante, Lehigh University)
  • DeJuan Jones (atacante, Michigan State University)
  • Daniel Krutzen (defensor, University at Albany)
  • Robbie Mertz (meio-campista, University of Michigan)
  • Callum Montgomery (defensor, University of North Carolina at Charlotte)
  • Tate Schmitt (atacante, Louisville University)
  • Andre Shinyashinki (atacante, University of Denver)

Futebol