PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Briga, falta dura e até máscaras. Lembre as expulsões da carreira de Neymar

Do UOL, em São Paulo

23/10/2017 04h00

Jogador mais caro da história do futebol, Neymar repetiu neste domingo (22) uma cena recorrente em sua carreira como atleta. No primeiro clássico entre Olympique de Marselha e PSG de sua carreira, o brasileiro foi expulso após sofrer uma falta e empurrar Ocampos, o responsável por derrubá-lo em campo.

O camisa 10 havia recebido um cartão amarelo dois minutos antes e foi advertido novamente pela arbitragem, o que resultou em sua primeira exclusão com a camisa do clube francês.

A cena que ocorreu no Vélodrome, em Marselha, não foi inédita na carreira do brasileiro. Expulso diversas vezes desde que se profissionalizou, o atacante formado no Santos protagonizou um caso semelhante em 2013, quando ainda atuava no Brasil.

Em um jogo do Campeonato Paulista no Moisés Lucarelli, Neymar se desentendeu com o lateral direito Artur após uma bola alçada na área da Ponte Preta. O então atleta do Santos teve seu rosto segurado pelo adversário, mas se desvencilhou com um tapa. Na sequência, foi empurrado por outros atletas da equipe de Campinas e caiu no chão. O árbitro Luis Flávio de Oliveira deu vermelho direto para ambos os atletas.

Pelo clube paulista, no entanto, o incidente mais parecido com o deste domingo foi em 2012. Em um jogo do Campeonato Brasileiro contra o Grêmio, o atacante recebeu um amarelo por reclamação e, posteriormente, se enrolou com Pará em uma disputa de bola no meio-campo. A arbitragem decidiu advertir ambos os jogadores, resultando no vermelho para o santista.

Vestindo a camisa da seleção brasileira, Neymar foi expulso após o final do jogo entre Brasil e Colômbia na Copa América de 2015. Desapontado com a derrota por 1 a 0, o jogador chutou a bola para a frente depois do apito final e atingiu as costas de Armero, que desabou no gramado. O zagueiro Murillo foi tirar satisfações, abraçando o brasileiro. Irritado, Neymar tentou (e errou) uma cabeçada, o que começou uma confusão generalizada – com direito a um empurrão de Bacca no camisa 10.

O árbitro Enrique Osses acompanhou o entrevero e decidiu exibir o vermelho para Neymar e Bacca, mesmo após o apito final.

Falta dura e máscara

O “repertório” de expulsões de Neymar vai além de incidentes semelhantes ao que resultou no vermelho contra o Olympique. O mais peculiar foi na Copa Libertadores de 2011, pelo Santos.

O início da campanha que resultaria no tricampeonato continental do clube alvinegro foi turbulento, pois os dois primeiros jogos foram empates contra Deportivo Táchira e Cerro Porteño. Na Vila Belmiro, precisando de uma vitória contra o Colo-Colo, o Santos fez 3 a 0 com um golaço do camisa 11, que comemorou vestindo uma máscara dele próprio.

Pela celebração, o árbitro Roberto Silveira aplicou um cartão amarelo no atacante, o segundo dele no jogo, resultando na exclusão. O Santos acabaria vencendo o confronto com emoção, já que o Colo-Colo reagiu, mas perdeu por 3 a 2.

Já em abril desde ano, ainda no Barcelona, Neymar deu uma entrada desleal no zagueiro Diego Llorente em uma partida do Campeonato Espanhol. O camisa 11 do Barça arrancou pela esquerda, mas perdeu o controle da bola e solou o defensor adversário, sendo expulso de forma direta.

Futebol