PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Após ruídos, Libra abre canal de diálogo para atrair grupo de 25 clubes

John Textor se juntou à LIBRA, que agora, conta com 10 clubes - Divulgação
John Textor se juntou à LIBRA, que agora, conta com 10 clubes Imagem: Divulgação
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

25/06/2022 03h59

Em reunião em São Paulo, a Libra (Liga de Clubes do Brasil) decidiu abrir um canal de comunicação com o grupo de 25 clubes que não topou aderir à entidade. O objetivo é estabelecer bases de negociação em comum sobre a divisão de dinheiro para tentar chegar a um acordo para a composição de toda a liga.

A Libra conta com os clubes paulistas das Séries A e B, Flamengo, Botafogo, Vasco e Cruzeiro. O Grêmio tem participado como convidado de assembleias. Outros 25 clubes das duas divisões - liderados por Atlético-MG, Internacional e Fluminense - optaram por fundar uma organização por não concordarem com o critério de distribuição de verba.

Essa fundação do grupo ocorreu justamente por uma dificuldade de diálogo entre as partes. Os clubes dos dois lados têm se comunicado, conversado, mas há dificuldade de um diálogo institucionalizado para chegar a pontos em comum.

A assembleia da Libra em São Paulo teve como objetivo a discussão de uma estruturação para o desenvolvimento da Liga. Foram dois pontos principais debatidos: 1) regras para o investimento do dinheiro a ser obtido com eventual venda de parte da liga 2) projeções de quanto pode ser obtido com investidores com a Liga.

A Libra tem avançado nas discussões financeiras independentemente da falta de consenso com os 25 clubes do outro grupo. A ideia é tocar as regras de governança e investimento. Essas diretrizes valerão mesmo que o grupo não conte com os outros times.

Ao final da reunião, membros da Libra decidiram instituir um grupo de dirigentes para negociar diretamente com os outros times. O objetivo é acabar com o telefone sem fio entre as partes, com negociações individuais entre dirigentes que nem sempre avançam.

Fazem parte do novo grupo os dirigentes do Red Bull Bragantino, Thiago Scurro, do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, e do Santos, Andrés Rueda. São eles que vão conversar diretamente com os presidentes dos outros clubes.

Mas não há um mandato para que possam fazer acordos por conta própria. Tudo que for negociado entre as partes terá de ser referendado pelo Conselho da Libra. O objetivo, no final, é construir condições para que os outros clubes, no futuro, consigam aderir à entidade.

Veja a nota da Libra ao final da reunião:

"A LIBRA se reuniu nesta sexta-feira, em São Paulo, para uma assembleia avaliada como extremamente produtiva. Com a presença de Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Guarani, Grêmio (convidado), Ituano, Novorizontino, Palmeiras, Ponte Preta, Red Bull Bragantino, Santos, São Paulo e Vasco, a entidade tratou de diversos assuntos internos, constituindo um enorme avanço em direção à consolidação do tão desejado e necessário projeto de formação de uma Liga independente, escrevendo mais um capítulo na história de transformação do futebol brasileiro.

Com uma agenda positiva, os clubes analisaram amplo material e estudos que demonstram as inúmeras possibilidades de desenvolvimento de negócios da LIBRA.

Entre as definições, e seguindo as melhores práticas internacionais, os clubes deliberaram, de forma unânime, que a gestão da LIBRA deverá ser conduzida totalmente por profissionais reconhecidos de mercado, evitando que exista ingerência política na administração da entidade. Os clubes avançaram ainda nas discussões das projeções financeiras que fundamentarão o início das negociações com potenciais investidores.

Na assembleia, os clubes também voltaram a reafirmar a disposição de sempre em dialogar de forma justa e transparente para viabilizar a integração dos demais clubes que ainda não assinaram sua participação oficial na LIBRA."