PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que São Paulo tem desvantagem financeira para Grêmio em caso de Série B

Vagner Mancini, técnico do Grêmio - GettyImages
Vagner Mancini, técnico do Grêmio Imagem: GettyImages
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

17/11/2021 04h00

São Paulo e Grêmio estão ameaçados de rebaixamento à Série B, sendo a situação do time gaúcho bem pior. O agremiação do Sul, no entanto, deve ter um prejuízo financeiro menor do que o clube paulista em caso de descenso. Isso se explica pelas condições dos contratos de direitos dos dois times com a Globo.

Atualmente, os acordos individuais dos clubes com a emissora têm fórmulas iguais para TV Fechada e TV Aberta. São divididos por critérios de igualdade, exposição e posição. Clubes que caem para a Série B perdem todos esses pagamentos. O impacto é entre R$ 60 milhões e R$ 70 milhões a menos no orçamento.

Em compensação, os clubes podem optar por manter seus contratos de pay-per-view em vez de aderir ao acordo da Série B. Para times com torcidas grandes, isso é bem mais vantajoso do que ganha a cota fixa da Série B que não chega nem a R$ 10 milhões.

Pois bem, nos contratos de ppv, há diferenças entre os clubes com alguns com garantia mínima percentual. É o caso do Grêmio. Ao fechar seu acordo, o clube garantiu que teria em torno de 7% da arrecadação destinada aos times. O valor total era de R$ 600 milhões, embora tenha sofrido quedas pela redução de assinantes.

O blog apurou que a garantia não é afetada por um eventual rebaixamento. Ou seja, o Grêmio poderia garantir algo próximo de R$ 40 milhões de receita mesmo na Série B.

Já o São Paulo não tem essa garantia mínima de receita no ppv. A diretoria atual são-paulina até levantou a possibilidade de negociar algo neste sentido, mas não houve avanço. A agremiação do Morumbi, portanto, terá o seu ganho atrelado ao percentual de assinantes do Premiere que se declarar torcedor do time. Em 2019, esse percentual era de 9%, mas não se sabe o impacto de um rebaixamento sobre a adesão dos adeptos do time ao produto.

O Grêmio já analisa seu orçamento pensando nos dois cenário possíveis: Série A e Série B. Por isso, ainda não finalizou seu planejamento financeiro. Apesar desta vantagem do ppv, haverá um impacto significativo caso o time não se recupere. Além das perdas de receitas de TV, clubes costumam ter impactos no sócio-torcedor, patrocínio e bilheteria.

No caso do São Paulo, a diretoria foi procurada, mas não respondeu sobre o planejamento financeiro para o próximo ano.

Antes da rodada, o Grêmio tem 32 pontos e está na 18ª posição. O São Paulo está na 15ª colocação e possui 38 pontos.