PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como é o token do Santos para investir em negociações de Neymar e Gabigol

Neymar celebra aniversário de Libertadores pelo Santos - Reprodução/Instagram
Neymar celebra aniversário de Libertadores pelo Santos Imagem: Reprodução/Instagram
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

28/10/2021 12h00

O Santos lançou nesta terça-feira o "Token da Vila" atrelado a direitos em possíveis negociações de atletas como Neymar, Gabigol e Rodrygo. Isso porque o mecanismo de solidariedade da Fifa garante ao clube um percentual em transações desses jogadores. É uma iniciativa já feita em modelos similares pelo Vasco e o Cruzeiro.

O produto lançado pelo Santos foi em parceria com a Mercado Bitcon. Cada Token saiu pelo valor de R$ 50,00. E há 450 mil disponíveis para comercialização, o total pode chegar a R$ 30 milhões. Mas como funciona o produto?

Ao pagar R$ 50,00, o torcedor/investidor compra uma fatia dos direitos recebíveis do Santos do mecanismo de solidariedade de 12 atletas. Entre eles, estão Neymar, Gabigol, Rodrygo, Veríssimo, Yuri Alberto, Allan Patrick, entre outros. O clube tem percentuais de até 5% em negociações desses jogadores por ser o formador —percentual depende do período em que ficou no Santos.

"O mecanismo de solidariedade garante um percentual dos direitos do Santos sobre a venda. Caso Neymar saia do PSG e vá para o Real Madrid, o Santos tem uma fração. Não é Fan Token. Compra por R$ 50,00 e rentabiliza sua carteira. Esse valor de solidariedade do clube será destinado aos compradores", explicou o diretor de marketing do Santos, Rafael Soares, que comparou o produto a comprar uma ação que pode se valorizar a R$ 300,00 ou não valer nada depois do final do prazo.

Obviamente, o ganho estará atrelado ao valor pago nas possíveis negociações de Neymar ou Gabigol, por exemplo. A vantagem para o clube é ter uma renda certa de quem topar investir. A página da Mercado Bitcoin registrava na quarta-feira em torno de R$ 400 mil investidos nos Tokens da Vila em 24 horas.

"O Santos está tornando um receita incerta, em uma receita certa. Não há garantia de que [os jogadores] vão ser vendidos. O comprador está comprando um investimento. Ele pode ter um lucro", complementou Soares. "Os tokens existem. Se nem todo mundo comprar, uma parcela é do Santos. O Santos fica com os tokens. Se vender todos os tokens, ele não vai ganhar nada nas transações. Não entra mais para o Santos, só para os investidores."

O Santos tem calculado quanto tem de percentual em cada um dos jogadores listados na bolsa. Assim, sabe como dividir os valores investidos pelos compradores dos Tokens.