PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Como Fortnite na camisa da final explica plano de patrocínio do Santos

Santos terá patrocínio do jogo Fortnite na final da Libertadores - Divulgação
Santos terá patrocínio do jogo Fortnite na final da Libertadores Imagem: Divulgação
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

26/01/2021 03h59

O Santos sofreu um forte abalo em sua imagem com a contratação de Robinho, condenado por estupro na Itália. A suspensão do contrato conseguiu estancar o problema e evitar saída em massa de patrocinadores. Ameaçava uma estratégia de marketing que alavanca receitas com parcerias como a feita com o jogo eletrônico Fortnite para final da Libertadores.

Não é uma preferência do Santos patrocínios pontuais para a camisa master. Só que, embora o acordo não seja revelado, a empresa Epic Games pagará um valor acima do padrão de jogos pontuais. O clube santista tinha feito acordos com a Tekbond para as semifinais contra o Boca Juniors. Essa empresa, porém, já é parceira santista.

A ideia da Fornite surgiu quando o Santos negociava o lançamento de uma parceira dentro do jogo, feita pela empresa com 23 clubes pelo mundo, para incluir "skins" do clube. E, além do patrocinador master, haverá ações na rede social. A intenção do Fornite é buscar um público fora só dos games, ou seja, o consumidor do futebol.

E essa tem sido também uma estratégia do Santos: ir além do público do futebol. Uma forte penetração em redes sociais, com piadas e brincadeiras que também se aproveitem de ondas na internet. O clube tem obtido um alto nível de interação em seus posts, acima do tamanho da torcida.

Financeiramente, a estratégia de marketing tem batido a meta prevista para o setor. Em meio à pandemia de coronavírus, que gerou queda de receita no futebol, o clube acabou com o terceiro trimestre de 2020 com R$ 15,3 milhões de receitas em patrocínio, R$ 1,7 milhão acima da meta presta. Isso sem ter um patrocinador master. Agora, com o bom resultado esportivo, o presidente santista, Andrés Rueda, vê um patrocínio master permanente mais próximo de ser fechado.

Ao final do ano, o clube teve uma renda em torno de R$ 20 milhões, cumprindo a meta prevista. Ou seja, superou a crise de Robinho perdendo apenas um parceiro: manteve outros nove patrocínios. Obviamente, em 2021, o desempenho esportivo ajuda com o time em uma final global transmitida para quase 200 países.

Rodrigo Mattos