PUBLICIDADE
Topo

Renato Mauricio Prado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Linda festa e lindo gol devolvem confiança ao Flamengo

Conteúdo exclusivo para assinantes
Renato Mauricio Prado

Renato Mauricio Prado é jornalista e trabalhou no Globo, Placar, Extra, Rádio Globo, CBN, Rede Globo, SporTV e Fox Sports. Assina atualmente uma coluna diária no Jornal do Brasil. A primeira Copa que cobriu in loco foi a da Argentina, em 1978.

18/11/2021 02h16Atualizada em 18/11/2021 02h18

Despedida do Flamengo de sua torcida, última partida no Rio antes da final da Libertadores. Maracanã engalanado, arquibancadas cheias, vermelho e preto da cabeça aos pés. Sai a escalação e o time que vai a campo é 99% reserva - apenas David Luiz começa jogando. Poderia ser um anticlímax. Mas os torcedores não permitiram que isso acontecesse.

A equipe suplente faz também a sua parte. Buscou a vitória desde o apito inicial, pressionando o Corinthians que, com a sua formação titular, teoricamente, deveria ser aquele que ditaria o ritmo do confronto. Pois, sim. Foi o Flamengo que alugou o meio-campo, pressionou a saída de bola do rival e começou a criar chances para marcar. Acovardado, o time de Sylvinho só se defendia.

O primeiro tempo terminou com o placar em branco, mas as substituições feitas por Renato Gaúcho, no intervalo (entraram Filipe Luís, Gustavo Henrique e Bruno Henrique), indicavam que havia uma vontade de retribuir o apoio maciço que vinha das arquibancadas, com a vitória.

Teve bola na trave, teve grande defesa de Cássio, teve Bruno Henrique sentindo o joelho, após linda conclusão. O mais indicado, então, seria retirá-lo imediatamente de campo. Mas ele quis ficar, porque Renato já tinha feito as cinco substituições.

Seu heroísmo acabou premiado, após linda jogada e cruzamento perfeito de Rodinei, que o técnico, uma vez mais, lançou no ataque. Bruno testou no contrapé do goleiro corintiano, garantindo, nos acréscimos, uma vitória emocionante, que fechou a lindíssima festa da torcida no Maracanã.

Há coisa de 15 dias, nuvens negras rondavam a Gávea e o Ninho do Urubu. O time jogava mal, despedia-se da luta pelo tricampeonato brasileiro e uma crise de grandes proporções (envolvendo departamento médico, preparação física e comissão técnica) surgia no horizonte.

A goleada sobre o São Paulo, com atuação avassaladora do time quase completo, especialmente no início da partida, começou a afastar o baixo astral. O apoio da torcida, a entrega e o desempenho dos reservas, além do novo triunfo, na despedida do Maracanã, contra o Corinthians, completaram a metamorfose no ambiente rubro-negro.

A volta segura de Filipe Luís e a confirmação de que David Luiz é um zagueiro excepcional aumentam a confiança na luta pelo tricampeonato da Libertadores. Restam dúvidas sobre as condições físicas de Rodrigo Caio, Pedro, o próprio Bruno Henrique e, principalmente, Arrascaeta. Mas se os jogadores continuarem demonstrando a garra, a entrega e o espírito de luta dos últimos dois jogos, o Flamengo chegará forte a Montevidéu.

A próxima partida, contra o Internacional, pode ser a oportunidade derradeira para testar o real estado dos jogadores entregues ao departamento médico. Contra o Grêmio, não creio, que algum titular seja utilizado, a quatro dias da final.

Seja como for, é inegável que o rubro-negro carioca conseguiu reverter o viés de baixa. Algo importantíssimo na luta pelo terceiro título da competição mais importante do continente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL