PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Time de Ronaldo quer juntar Daniel Alves e Marcelo em retorno à 1ª divisão

Daniel Alves é um dos alvos de Ronaldo para mudar o Valladolid de patamar - Albert Gea/Reuters
Daniel Alves é um dos alvos de Ronaldo para mudar o Valladolid de patamar Imagem: Albert Gea/Reuters
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

18/06/2022 04h00

Vice-campeão da segunda divisão espanhola na última temporada, o Valladolid pretende ter em seu retorno à elite a dupla de laterais que, durante muito tempo, foi incontestável como titular da seleção brasileira.

O modesto clube, que nunca sequer passou perto de conquistar o título da La Liga, planeja contratar os veteranos Daniel Alves, 39 anos, e Marcelo, 34 , que estão livres no Mercado da Bola depois de serem liberados por Barcelona e Real Madrid, respectivamente.

Os reforços de luxo não foram pedidos pelo técnico Pacheta e nem pelos dirigentes que administram o futebol da equipe blanquivioleta. Eles são na verdade um projeto pessoal do dono e presidente do clube, o também brasileiro Ronaldo.

O Fenômeno acredita que a contratação dos seus compatriotas daria um grande ganho técnico ao elenco e também seria uma importante plataforma para alavancar o marketing do Valladolid e atrair mais patrocinadores para o clube.

Ronaldo sabe que, em condições normais, sua equipe não teria condições financeiras de arcar com reforços desse porte. No entanto, aposta que o valor do salário não é atualmente a maior preocupação dos laterais desejados. Ou seja, que é possível contratá-los sem estourar o orçamento.

Como o "Blog do Rafael Reis" mostrou na última quarta-feira, Marcelo não tem nenhuma intenção de retornar ao futebol brasileiro neste momento porque quer continuar acompanhando de perto a formação do seu filho mais velho, Enzo, que joga nas categorias de base do Real Madrid.

Por isso, a ideia do pentacampeão da Champions é continuar na Europa. E, quanto mais próximo morar da capital espanhola, melhor.

A distância entre Valladolid e Madri é de apenas 196 quilômetros. De carro, a viagem entre as duas cidades dura aproximadamente 2h30. Ou seja, dá tranquilamente para aproveitar todos os dias de folga junto com a família.

No caso de Daniel Alves, a prioridade é se manter em atividade para não perder espaço na seleção brasileira e ficar fora da Copa do Mundo.

Como sua posição é das mais carentes de renovação, e Tite não tem nenhum outro jogador de confiança para substitui-lo, o lateral direito nem precisa jogar tão bem assim no seu próximo clube. Basta ser minimamente competitivo.

Ronaldo acredita que o Valladolid pode dar ao agora ex-jogador do Barcelona o que é necessário para ele consiga disputar a Copa-2022. E com uma grande vantagem sobre as equipes brasileiras que possam tentar repatriá-lo: um ambiente com muito menos cobrança de torcedores e da imprensa.

Mas os dois alvos do clube espanhol têm também outras opções para a sequência da carreira.

Além da possibilidade de voltar ao Brasil (o Athletico-PR deseja repatriá-lo), Daniel Alves também vem sendo sondado de um clube da Turquia. O Mallorca, da Espanha, é outra possibilidade analisada.

Já Marcelo, que por aqui interessa a Botafogo, Corinthians e Fluminense, está na mira do Fenerbahçe, time turco que agora é dirigido pelo técnico português Jorge Jesus (ex-Flamengo).

Ronaldo é o acionista majoritário (possui 82% das ações) do Valladolid desde 2018. Sob seu comando, o clube deixou de ser deficitário para arrecadar mais do que gasta. Em compensação, não teve resultados esportivos expressivos -foi rebaixado para a segunda divisão espanhola em 2020/21 e obteve o retorno na temporada seguinte.

O ex-camisa 9 da seleção também é dono da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) que gerencia o Cruzeiro. Sob sua supervisão, o time mineiro tem deixado de lado os resultados ruins dos últimos anos e atualmente lidera a Série B do Brasileiro, com 31 pontos conquistados em 13 jogos.