PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Presidente do conselho rejeita recurso por inelegibilidade de Andrés

Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians,  - Zanone Fraissat/Folhapress
Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians, Imagem: Zanone Fraissat/Folhapress
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

28/09/2021 20h21

Alexandre Husni, presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians, rejeitou recurso da oposição e manteve decisão que arquivou pedido que visava tornar Andrés Sanchez inelegível por dez anos.

Com base na reprovação das contas de 2019, na gestão de Andrés, e em supostas infraçôes, opositores de diferentes correntes queriam a marcação de uma assembleia de sócios. Os associados decidiriam se o ex-presidente deve ficar inelegível no clube por dez anos.

A Comissão de Ética e Disciplina arquivou o pedido. Os opositores recorreram ao Conselho Deliberativo e esperavam uma votação no órgão para decidir sobre o pedido.

Husni, num primeiro momento, acolheu o recurso para analisá-lo.

Porém, em decisão da última terça (27), optou pela rejeição e pelo arquivamento. O presidente do conselho alegou "ausência de possibilidade jurídica" para a realização da assembleia. Afirmou também que a eventual inelegibilidade de Andrés deve ser discutida quando houver eleição pela comissão eleitoral, caso o ex-presidente seja candidato.

A oposição estuda o que fazer. Por sua vez, a defesa de Andrés nega que ele tenha praticado gestão temerária ou irregular, atos apontados pelos opositores.

Blog do Perrone