PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Seleção brasileira sofreu para ir à final olímpica por ser previsível

Jogadores da seleção brasileira comemoram classificação para a final olímpica - Lucas Figueiredo/CBF
Jogadores da seleção brasileira comemoram classificação para a final olímpica Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

03/08/2021 08h35

Deu sono assistir a México x Brasil na madrugada desta terça (3) pelos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Ainda bem que deu para espiar as apresentações de Simone Biles e Flávia Saraiva na trave na ginástica olímpica. Deu para acordar um pouco.

A sonolência que a partida da seleção masculina de futebol provocou neste blogueiro ajuda a explicar o sofrimento do time de André Jardine, que se classificou para a final nos pênaltis após empate sem gols no tempo normal e na prorrogação.

A Seleção Brasileira jogou como seu técnico gosta. Controlou a partida, teve maior posse de bola (67%, segundo o Sofascore) e pressionou o adversário após a perda da redonda.

Mas, quando chegava perto da meta mexicana, nada acontecia. Faltaram triangulações, dribles, rapidez, invasões à área adversária e chutar de longe. Contando a prorrogação, o Brasil fez 12 finalizações contra 9 do México.

Como já acontecera contra o Egito, o Brasil foi previsível. Dessa forma, o jogo ficou confortável para a defesa mexicana.

Após o 0 a 0 no tempo normal, a prorrogação seguiu na mesma toada. Nos pênaltis, Santos fez uma defesa, e o Brasil venceu por 4 a 1.

A classificação para a semifinal foi mais sofrida do que precisa ser. Com mais qualidade do que o rival, a equipe de Jardine poderia ter assegurado a vaga na final no tempo normal, se fosse menos previsível.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Blog do Perrone