PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Título da Copa do Brasil cobre quase 2 anos de gastos do Palmeiras com base

Gabriel Menino comemora título do Palmeiras na Copa do Brasil - Lucas Figueiredo/CBF
Gabriel Menino comemora título do Palmeiras na Copa do Brasil Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

08/03/2021 12h45

Quase quarenta minutos da etapa final do segundo jogo decisivo da Copa do Brasil entre Palmeiras e Grêmio. Gabriel Menino tira a camisa numa explosão de alegria após marcar o segundo gol alviverde e praticamente assegurar a taça para seu time. Wesley havia marcado o primeiro.

Como já acontecera no Paulista e na Libertadores, novamente os jogadores revelados na base foram decisivos para a conquista.

Os garotos ajudaram o Palmeiras a abocanhar o prêmio de R$ 54 milhões oferecido pela CBF ao campeão da Copa do Brasil. O valor é capaz de cobrir quase dois anos de gastos do clube com a base. Isso levando-se em conta dados da diretoria sobre a despesa com o departamento de formação de atletas entre 2017 e 2019.

Nesses três anos, foram gastos cerca de R$ 90 milhões com as categorias de base. Em média, o investimento anual na formação de jogadores nesse período foi de aproximadamente R$ 30 milhões.

Também de acordo com dados da direção, os R$ 90 milhões investidos nesses três anos com Maurício Galiotte na presidência representam um aumento de 50,6% em relação ao gasto com a base no triênio anterior, no qual Paulo Nobre era o presidente.

Foi com Nobre, em 2015, que começou a reestruturação da base do Palmeiras, que até então era motivo de críticas.

O sucesso de jovens como Wesley, Gabriel Menino, Patrick de Paula e Gabriel Veron atrai o interesse do mercado internacional, o que preocupa o torcedor alviverde.

A diretoria afirma que não gostaria de vender nenhuma das revelações do clube. Porém, diante das incertezas financeiras geradas pela pandemia de covid-19 não descarta negociar ao menos um desses jogadores para equilibrar as contas. O clube terminou 2020 com déficit de cerca de R$ 151 milhões.

Se inscreva no canal do Ricardo Perrone no YouTube

Blog do Perrone