PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Pesadelo de 45 minutos para o Madureira: Fla avassalador bate o ex-invicto

Gabigol brinca com Diego em comemoração de gol do Flamengo contra o Madureira - Thiago Ribeiro/AGIF
Gabigol brinca com Diego em comemoração de gol do Flamengo contra o Madureira Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

05/04/2021 22h58

Único invicto do Campeonato Carioca antes de a bola rolar, com cinco gols sofridos, o Madureira sofreu a mesma quantidade só na etapa inicial. O primeiro tento foi mal anulado, os outros quatro valeram. Na segunda metade da partida o tricolor suburbano fez o dele, mas os rubro-negros, ainda intensos, fecharam a conta em 5 a 1.

Aos 6 minutos de jogo Gabigol marcou em passe de Gérson depois de ótima jogada pela esquerda. Mas o auxiliar Gabriel Conti Viana marcou impedimento inexistente.

Aos 13, Bruno Henrique, de cabeça, e Diego, de pé direito, na sequência, carimbaram as traves do tricolor suburbano. O jogo era bem movimentado e os rubro-negros criavam.

Com 16 minutos, Breno, atrapalhado, saltou sobre Bruno Henrique e o árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda marcou o pênalti. Gabigol abriu o placar com a frieza habitual: 1 a 0 que poderiam ser três. Mas o time chegou ao terceiro novamente com Gabigol.

Interessante observar o posicionamento do camisa 9 quando batido um escanteio. Rodrigo Caio cabeceou e Gabriel estava quase no bico esquerdo da grande área esperando um possível rebote, que surgiu e ele aproveitou.

Eram tantas chances criadas pelo Flamengo que dificilmente o Madureira escaparia de levar mais um gol no primeiro tempo. Diego, em ótimo passe de Isla, ampliou a dois minutos do intervalo, fez seu 200º gol na carreira, 42º pelo Flamengo. Metade do jogo e o campeão brasileiro vencia por 4 a 0.

Já na primeira etapa era perceptível a necessidade de corrigir o sistema defensivo, então saiu o gol do Madureira. Aos 13 minutos do segundo tempo Luís Paulo diminuiu após escanteio, cabeceando entre Gérson, que errou, e Willian Arão. Na demorou é Arrascaeta fez mais um.

Foi uma atuação para deixar o torcedor do Flamengo cheio de expectativa e fé no sonhado reencontro com o futebol inesquecível praticado em 2019, o que não significa atuar exatamente da mesma maneira. Domingo, na Supercopa,

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL