PUBLICIDADE
Topo

Mauro Cezar Pereira

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Jovens do Fla vencem Macaé com laterais que cruzam bem e um bom cabeceador

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

06/03/2021 20h05Atualizada em 06/03/2021 21h28

Se na estreia do Flamengo no campeonato carioca o time formado por atletas jovens, da base, venceu sem jogar o que poderia, o que deles se esperava, na segunda rodada o cenário foi diferente. Os rubro-negros venceram o Macaé por 2 a 0, gols de Rodrigo Muniz, ambos em cabeçadas certeiras. Desta vez os meninos deixaram uma imagem melhor e deram esperanças ao torcedor.

O pênalti perdido por Pepê aos sete minutos de partida era chance criada em consequência de bom começo de um Flamengo mais encorpado, com a presença do jogador que desperdiçou a penalidade, Michael e Hugo Moura. Este, voltando de empréstimo ao Coritiba, distribuía o jogo e liberava João Gomes par atuar mais à frente. Aos três ele já havia carimbado o travessão.

Foi um primeiro tempo diferente do da terça-feira, quando os garotos rubro-negros venceram o Nova Iguaçu com chute espetacular de Max no último lance da peleja. O time macaense, ao contrário da equipe da Baixa Fluminense, saía mais para o jogo, concedia mais espaço, ou seja, era um duelo mais franco, tornando o jogo mais interessante, mais aberto.

Rodrigo Muniz, com altos e baixos, abriu o placar em bonita cabeçada após cruzamento preciso de Matheuzinho. Em seguida, Michael fez boa jogada, chegou à linha de fundo, mas o autor do único tento da etapa inicial não o acompanhou e a bola passou pela pequena área sem que aparece quem poderia empurrá-la para a meta praticamente indefesa.

No segundo tempo, nova cabeçada de Rodrigo Muniz, desta vez colocada, tirado do goleiro, direcionando a bola para a lateral da rede macaense. Belas finalizações do camisa 9, que se no primeiro tento explorou cruzamento do lateral-direito, no segundo aproveitou a bola que veio do lateral-esquerdo, Ramon. O jogo fez os dois ganharem pontos.

A boa partida de Hugo Moura, a segurança de Noga, os avanços e bons cruzamentos dos laterais e as testadas precisas de Rodrigo Muniz foram pontos positivos de uma equipe formada basicamente por gente jovem que precisa mostrar serviço para ter espaço no elenco, mesmo quando os titulares estiverem de volta. E em oito dias eles enfrentarão o Fluminense.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Inscreva-se no Canal Mauro Cezar no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL