PUBLICIDADE
Topo

Jesus deve renovar com Flamengo nesta semana. Tempo de contrato é impasse

Jorge Jesus ainda pode ficar ate o fim de 2021 - GettyImages
Jorge Jesus ainda pode ficar ate o fim de 2021 Imagem: GettyImages
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

18/05/2020 04h00Atualizada em 18/05/2020 13h07

O Flamengo está confiante quanto à renovação de contrato do técnico Jorge Jesus nesta semana que começa. As duas partes se aproximaram de um acordo nos últimos dias e as bases financeiras estão próximas de um acerto. Uma questão pendente é a duração do novo compromisso entre o treinador português e o clube carioca, que poderá ser até junho de 2021, no caso seria por mais um ano, ou dezembro do ano que vem, algo próximo de ano e meio, fechando, pelo menos em tese, mais duas temporadas à frente do time.

Jesus exigiu que o primeiro compromisso, fechado em 2019, fosse até meados deste ano para que pudesse avaliar sua passagem pelo clube e o mercado. Com a crise causada pelo novo coronavírus, datas se modificaram, com a temporada europeia suspensa e ainda longe de acabar, o que reduziu as possibilidade de surgimento de uma boa alternativa no exterior neste período de 2020. O Flamengo quer contar com ele até o final do ano que vem, mas ainda não conseguiu convencer o português a assinar por 18 meses.

A remuneração de Jesus não deverá sofrer grandes alterações, outro reflexo da pandemia. Quando as conversas começaram, antes de o COVID-19 paralisar o futebol pelo planeta, a reivindicação era de um reajuste próximo a 50%. A tendência é que o técnico acerte em bases semelhantes às do compromisso que termina em 20 de junho, com gordas premiações por títulos, como reza o contrato ainda em vigor. Os rubro-negros acreditam que as possibilidades de um acordo nos próximos dias são bem grandes.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL