PUBLICIDADE
Topo

Paulista - 2019

Sampaoli surpreende, e Santos tem melhor largada desde time de Neymar

Siga o UOL Esporte no

Eder Taskini

Do UOL, em Santos

29/01/2019 04h00

Três jogos, três vitórias, sete gols feitos e nenhum sofrido. O início do Santos de Jorge Sampaoli na temporada de 2019 é animador. Há oito anos o Peixe não sabia o que era vencer os três primeiros jogos de uma temporada: a última vez havia sido em 2011, quando o time de Neymar e cia. terminou campeão do Paulista e da Copa Libertadores da América.

Leia mais:

O início de 2019 surpreende principalmente a diretoria. A cúpula santista confiava no sucesso do treinador estrangeiro à frente da equipe, mas não imaginava resultados tão imediatos. 

E entrevista ao SporTV na noite da última segunda-feira (28), Victor Ferraz confirmou que a boa impressão com o trabalho do técnico ganha eco no elenco.

"O Sampaoli chegou surpreendendo todo mundo. Ele consegue ter a admiração de todos os jogadores. Ele é muito humano, mas ao mesmo tempo é muito perfeccionista. Você pode ver no nosso desenho tático que a gente dificilmente foge do que ele pede. É algo novo no Brasil. De ter a saída de bola. Ele fala uma coisa para gente: 'Ter amor pelo 'balón'. Ele pede para sermos protagonistas, propondo o jogo e tendo a posse de bola. E espero que consigamos enfrentar os times que forem se preparando para nos enfrentarem. Parece que ele abre a sua cabeça e coloca as coisas dentro, mesmo com a dificuldade da língua", disse.

Em 2011, o badalado Santos de Neymar e Ganso, que era atual campeão Paulista e da Copa do Brasil, não chegou a contar com nenhum de seus dois principais expoentes no início do ano. A exemplo de Rodrygo, Neymar disputava o Sul-Americano Sub-20 com a Seleção Brasileira, onde foi campeão e artilheiro do torneio, enquanto Ganso se recuperava da grave lesão no ligamento cruzado do joelho sofrida em agosto de 2010.

Em campo, o Peixe bateu o Linense por 4 a 1 (gols de Zé Love, Keirrison e Maikon Leite duas vezes), o Mirassol por 3 a 0 (gols de Maikon Leite e Zé Love duas vezes) e o Grêmio Barueri por 4 a 2 (gols de Keirrison, Maikon Leite e Elano duas vezes). Além de não contar com os dois principais jogadores, o Santos ainda tinha os laterais Danilo, Alex Sandro e o meia Alan Patrick na Seleção Sub-20. O time base da trinca vitoriosa foi: Rafael; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Robinho (hoje no Cruzeiro) e Elano; Maikon Leite, Zé Love e Keirrison.

Após o show de 2010, com direito a 72 gols somente no estadual, o Peixe se credenciava novamente para a disputa do título do torneio. Em 2019, porém, a situação é bem diferente. O Santos não é favorito ao torneio, pelo contrário, chegou a ser tido como a famigerada "quarta força" do estado. O alvinegro sequer chega à final do Paulistão desde 2016 após emplacar oito aparições seguidas desde 2009. Mesmo assim, o Santos de Sampaoli surpreende.

Se não tem uma média de gols tão invejável quanto a de nove anos atrás, quando teve mais de três gols por jogo de média, o técnico Jorge Sampaoli vai mostrando que a posse de bola vai ser sua principal arma para vencer os jogos. Nos primeiros três jogos, o time da Vila Belmiro emplacou o domínio da posse em todos: 58, 65 e 56%, respectivamente. O time fez 1 a 0 sobre a Ferroviária (gol de Jean Mota), 4 a 0 em cima do São Bento (gols de Jean Mota, Derlis González, Copete e Soteldo) e 2 a 0 no clássico contra o São Paulo (gols de Derlis González e Luiz Felipe).

"Falta trabalho, claro, de aderir definitivamente a ideia, crescimento do grupo, e o ânimo de que isso pode continuar crescendo. Estou convencido de que quando a equipe jogar melhor, correrá menos. Estamos buscando que equipe se defenda mais com a bola do que sem. E estamos encaminhando isso. Jogamos muito bem no meio de semana, agora de novo e temos um jogo muito difícil", disse o argentino após a vitória no clássico do último domingo.

Em 2011, o Peixe perdeu os 100% de aproveitamento na quarta partida do ano, o empate por 3 a 3 com o São Caetano, gols anotados por Elano (duas vezes) e Keirrison. Sampaoli terá a chance de quebrar essa marca na próxima quinta-feira, às 19h15, quando o Pexe visita o Bragantino, pela quarta rodada do Paulistão.