PUBLICIDADE
Topo

Futebol Americano


Astro da NFL foi ignorado pelo time do coração e agora pode eliminá-lo

Aaron Rodgers comemora vitória do Green Bay Packers sobre o Seattle Seahawks - Gregory Shamus/Getty Images/AFP
Aaron Rodgers comemora vitória do Green Bay Packers sobre o Seattle Seahawks Imagem: Gregory Shamus/Getty Images/AFP

Lucas Tieppo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/01/2020 04h00

O confronto de hoje (19) entre San Francisco 49ers e Green Bay Packers pela final da Conferência Nacional da NFL será especial para Aaron Rodgers. O quarterback dos Packers é ídolo da torcida e ostenta um anel de campeão pela franquia. Mas se dependesse do seu sonho de infância, estaria do outro lado do campo.

Nascido na cidade de Chico, no estado da Califórnia, o quarterback nunca escondeu que desejava defender os 49ers. Hoje, se vencer o time do coração na infância, ele terá a chance de disputar o seu segundo Super Bowl da carreira.

"Eu geralmente sonhava em jogar pelos 49ers quando criança. Obviamente, isso aconteceu há muito tempo. Mas eu me lembro de alguns grandes jogos ao longo dos anos entre os 49ers e os Packers", disse Rodgers, líder dos Packers.

Seu sonho esteve muito perto de se tornar realidade no Draft de 2005. Os 49ers buscavam um quarterback, o jogador estava disponível e era apontado como grande promessa. Porém, a franquia optou por Alex Smith logo na primeira escolha e enterrou os planos de Rodgers, que seria escolhido na 24ª posição pelos Packers para ser reserva de Brett Favre.

Naquela noite de 2005, o jogador foi questionado se estava desapontado por não ter sido escolhido pelo time do coração. A resposta na época foi: "Não tão desapontado quanto os 49ers ficarão por não me escolher". Hoje, é possível afirmar que ele tinha razão.

Um levantamento feito pela NBC Sports mostrou que os 49ers tiveram 15 quarterbacks entre 2005 e 2020 com pelo menos um jogo, enquanto Rodgers se consolidou como líder dos Packers - está na franquia desde que foi selecionado e foi campeão da NFL em 2010.

Escolhido em detrimento de Rodgers, Alex Smith foi o jogador mais longevo na posição neste período. Ele defendeu os 49ers até a temporada de 2012, mas sofreu com muitas lesões e com trocas constantes de coordenadores ofensivos. Em 2011, ele teve a sua melhor campanha e levou a equipe até a final da Conferência Nacional, mas acabou derrotado pelo New York Giants.

Outro que teve sucesso, porém por pouco tempo, foi Colin Kaepernick. Hoje longe da NFL de maneira controversa, o jogador liderou os 49ers na temporada 2012 até a disputa do Super Bowl 47, quando a equipe acabou derrotada pelo Baltimore Ravens.

Hoje, o dono da posição é Jimmy Garoppolo. O quarterback chegou do New England Patriots na reta final da temporada 2017, mas passou boa parte do último campeonato machucado e fora de combate. Na atual jornada, Garoppolo mostrou porque é a grande aposta da franquia para encerrar a ciranda de jogadores na posição.

As equipes já se enfrentaram na atual temporada, e Rodgers não teve bom desempenho na derrota de seu time por 37 a 8. "Você percebe, jogando contra eles, como eles são bons. Agora temos que batê-los dentro da casa deles", resumiu.

A decisão da Conferência Nacional será disputada neste domingo (19), às 20h40. A partida terá transmissão da ESPN e do Watch ESPN, serviço disponível para assinantes do UOL Esporte Clube.

Band: Time de futebol americano da Portuguesa une torcidas rivais

Band Esportes

Futebol Americano