PUBLICIDADE
Topo

Sem perder saque, Monteiro cai na Austrália em jogo de quatro tie-breaks

EFE
Imagem: EFE
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

21/01/2020 10h34

Thiago Monteiro fez uma partida quase perfeita em sua estreia no Australian Open. Disparou 18 aces, acumulou mais break points que o adversário, teve set points em três parciais e não permitiu que seu serviço fosse quebrado. Ainda assim, não foi o bastante para superar o americano John Isner, número 19 do mundo. O americano encaixou 46 aces, também confirmou seu saque durante toda a partida e foi melhor em três tie-breaks. No fim, após 3h27min, o placar registrou 6/7(5), 7/6(4), 7/6(7) e 7/6(5) para Isner, que avançou à segunda rodada da competição.

Atual número 86 do mundo, Monteiro era o único representante do Brasil nas simples em Melbourne. Com a derrota, ele segue sem vencer nas chaves principais dos torneios do Grand Slam desde julho de 2017, quando superou Andrew Whittington (#210 na ocasião) na estreia em Wimbledon. Desde então, caiu na primeira rodada no US Open em 2017 e 2019, em Roland Garros/2019 e Wimbledon/2019. O cearense de 25 anos também perdeu no quali em todos slams de 2018 e novamente em Melbourne em 2019.

Mais cedo, na sessão diurna desta terça-feira, Rafael Nadal e Karolina Pliskova confirmaram seu favoritismo, mas Maria Sharapova decepcionou novamente e disse não saber se voltará a competir na Austrália. Leia tudo sobre o que aconteceu mais cedo no resumo do dia.

Como aconteceu

Desde o começo do primeiro set, ficou claro que Monteiro tinha um plano de jogo bem pensado para encarar o rival de 2,08m de altura. O brasileiro executou muitos saques abertos, fez o americano se mexer na quadra e alongou os ralis sempre que possível. Monteiro deu um pequeno susto no oitavo game, quando recebeu atendimento médico no braço esquerdo e precisou salvar um break point, mas se salvou e resistiu bravamente até forçar o tie-break. No game de desempate, esteve sempre à frente. Conseguiu uma mini-quebra de vantagem graças a uma subida à rede ruim de Isner e não desperdiçou a chance, fechando a parcial em 7/6(5).

Taticamente, o segundo set foi parecido, o que foi bom para o brasileiro. Monteiro teve até dois set points no décimo game, com Isner sacando em 4/5. O americano, contudo, disparou um ace e fez um voleio dificílimo para se salvar e levar o jogo até mais um tie-break. O game de desempate, desta vez, foi diferente. Monteiro fez uma dupla falta e permitiu que Isner tomasse a dianteira. Sem perder mais nenhum ponto com o serviço, o favorito fez 7/6(4) e igualou a partida em sets.

A terceira parcial foi tão parelha quanto as anteriores, e o jogo seguiu sem nenhuma quebra de saque. Isner salvou um break point no quinto game, e Monteiro também esteve a um ponto de perder o serviço, mas se salvou com um belo saque no oitavo game, deixando o jogo em 4/4. Mais uma vez, um tie-break foi necessário, e as margens para erros eram mínimas. Os dois tenistas confirmaram os pontos em seus serviços e salvaram set points até que o brasileiro, sacando em 7/7, errou um backhand. Com o set point e o saque, Isner não desperdiçou a chance. Encaixou um ótimo segundo saque e fechou em 7/6(7).

No quarto set, pouca coisa mudou. Os sacadores continuavam levando ampla vantagem e, desta vez, ninguém sequer cedeu break points. A solução foi outro tie-break. Monteiro saiu na frente e abriu 2/1 graças a uma linda devolução vencedora, mas perdeu a vantagem com um erro não forçado de forehand. Pouco depois, sacando em 5/6, com match point contra, o brasileiro cometeu outro erro não forçado, selando seu destino.

Favoritos avançam

A noite australiana foi boa para os favoritos, tanto na chave masculina quanto na feminina. Entre os homens, o número 4 do mundo, Daniil Medvedev, foi o principal nome em quadra. Com uma atuação boa, mas instável, ele despachou o perigoso Frances Tiafoe por 6/3, 4/6, 6/4 e 6/2. O americano teve suas chances de complicar ainda mais o duelo, mas o russo foi melhor na maioria dos pontos importantes.

A rodada ainda teve triunfos de Andrey Rublev (#16), que precisou de quatro sets para superar o australiano Christopher O'Connell (#115): 6/3, 0/6, 6/4 e 7/6(5); Nick Kyrgios (#26), que aplicou 6/2, 7/6(3) e 7/6(1) em cima do italiano Lorenzo Sonego (#53); e David Goffin (#11), que eliminou o francês Jeremy Chardy (#58) por 6/4, 6/3 e 6/1.


Entre as mulheres, o principal nome em quadra foi Simona Halep (#3), cabeça de chave número 4. A romena teve problemas diante da americana Jennifer Brady (#49) e, depois de perder o saque duas vezes na primeira parcial, precisou salvar três set points com o placar em 6/5 para a rival. Depois de evitar a perda do set, foi melhor no tie-break e dominou a partida desde então. No fim, o placar mostrou 7/6(5) e 6/1.

A noite ainda registrou triunfos de Elina Svitolina (#5), que bateu a britânica Katie Boulter (#315) por 6/4 e 7/5; Kiki Bertens (#10), que superou a romena Irina-Camelia Begu (#105) por 6/1 e 6/4; e Angelique Kerber (#18), que aplicou 6/2 e 6/2 na italiana Elisabetta Cocciaretto (#175). Além disso, a rodada teve o placar mais curioso do dia, com a vitória da ex-número 1 do mundo Garbiñe Muguruza (#32) sobre a americana Shelby Rogers (#155): 0/6, 6/1 e 6/0.

Zverev promete doar prêmio inteiro se for campeão

Após sua vitória sobre o italiano Marco Cecchinatto (#77) por 6/4, 7/6(4) e 6/3, o alemão Alexander Zverev (#7) fez uma promessa ousada. Além de doar 10 mil dólares para cada vitória que acumular no Australian Open, o jovem de 22 anos disse que se for campeão vai doar todo o dinheiro recebido para o fundo de alívio aos incêndios florestais na Austrália. O prêmio para o campeão do torneio é de 4,120 milhões de dólares australianos, o que equivale atualmente a R$ 11,8 milhões. Até hoje, contudo, Sascha nunca passou das quartas de final em um slam - aconteceu em Roland Garros em 2018 e 2019. No Australian Open, o alemão nunca passou das oitavas de final.

Torne-se um apoiador do blog e tenha acesso a conteúdo exclusivo (posts, podcasts e newsletters semanais) e promoções imperdíveis.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.

Saque e Voleio