PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

GP da Arábia Saudita: datas, horários e tudo sobre a penúltima etapa da F1

Imagem aérea do paddock do circuito de Jedá que recebe o GP da Arábia Saudita   - Divulgação
Imagem aérea do paddock do circuito de Jedá que recebe o GP da Arábia Saudita Imagem: Divulgação
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

02/12/2021 04h00

A Fórmula 1 fará sua estreia na Arábia Saudita em um momento decisivo de um dos campeonatos mais disputados de sua história. A nova adição ao calendário ganhou as manchetes por diferentes motivos até agora: a obra em si teve de ser acelerada nas últimas semanas para a pista estar pronta, Justin Bieber sofreu pressão para cancelar seu show no evento e a própria presença da categoria, que promove ações de diversidade de sustentabilidade, foi questionada no país.

Trata-se de um veloz circuito de rua, com mais de 6 km de extensão (só perdendo para Spa-Francorchamps) e com 27 curvas, sendo que a maior parte delas é de alta velocidade.

Por causa disso, em teoria o favoritismo é da Mercedes, que tem Lewis Hamilton em segundo no Mundial, a oito pontos do líder Max Verstappen. Apenas o holandês, contudo, tem a chance de ser campeão já em Jeddah. Para levar a briga para Abu Dhabi, Hamilton precisa ser pelo menos quinto colocado caso Verstappen vença e faça a volta mais rápida.

hamilton capacete - REUTERS/Thaier Al-Sudani - REUTERS/Thaier Al-Sudani
Lewis Hamilton afirmou que voltará a usar capacete em apoio ao movimento LGBTQIA+ na Arábia Saudita
Imagem: REUTERS/Thaier Al-Sudani

Como acompanhar o GP da Arábia Saudita:

Sexta-feira, 3 de dezembro
Treino livre 1, das 10h30 às 11h30: Bandsports
Treino livre 2, das 14 às 15h: Bandsports

Sábado, 4 de dezembro
Treino livre 3, das 11 às 12h: Bandsports
Classificação, das 14h às 15h: TV Bandeirantes e Bandsports

Domingo, 5 de dezembro
Corrida, a partir das 14h30: TV Bandeirantes e BandNewsFM (transmissão começa às 14h)

Raio-X do Circuito da Corniche de Jeddah

Distância: 6.174m
Número de voltas: 50

DRS - 3 zonas
DRS 1: Detecção após a curva 17 e ativação entre as curvas 20 e 22
DRS 2: Detecção na curva 22 e ativação entre as curvas 23 e 27
DRS 3: Detecção na curva 27 e ativação na reta principal

Pneus disponíveis: C2 (duros), C3 (médios) e C4 (macios)

Características do Circuito da Corniche de Jeddah

  • As simulações da Fórmula 1 apontam que o circuito de Jeddah será o segundo mais rápido da temporada no quesito média de velocidade, perdendo apenas para Monza. A média esperada é de 252 km/h, com máximas de 322 km/h. É por isso que a Mercedes é considerada favorita: quando os carros têm de gerar menos pressão aerodinâmica, eles têm sido melhores que a Red Bull até aqui.

  • Serão três zonas de ativação do DRS organizadas de maneira interessante: o ponto de detecção da zona seguinte é localizado no final da zona anterior em dois pontos da pista. Ou seja, é possível que o piloto consiga a ultrapassagem e leve o troco logo em seguida, e podemos ver os pilotos fazendo táticas para evitar estarem na frente no ponto de detecção para tentar levar vantagem.

  • O traçado conta com uma curva em inclinação de 12 graus, ou seja, algo entre Indianápolis e Zandvoort. Este é um dos pontos em que os pilotos sentirão mais a força G em uma pista que deve demandar muito fisicamente.

Curiosidades sobre o GP da Arábia Saudita

A pista em si não é a casa definitiva da F1 na Arábia Saudita, já que o projeto inicial era fazer um circuito em Qiddiya. Enquanto a obra não fica pronta, a categoria vai correr em Jeddah, cidade que fica às margens do Mar Vermelho. Mesmo sendo uma corrida de rua, a grande maioria das vias por onde a pista passa foram feitas para receber o circuito.

Jeddah é a segunda maior cidade da Arábia Saudita e é famosa por servir de base para a peregrinação para Meca, local mais sagrado da religião muçulmana. É lá, também, onde acredita-se Eva foi enterrada, em um lugar que hoje fica no coração da cidade e que teria dado nome a ela, já que Jaddah significa "avó" em árabe.

Esta será a quarta casa da Fórmula 1 no Oriente Médio. O primeiro país da região a receber a categoria foi o Bahrein, em 2004, seguido pelos Emirados Árabes Unidos, em 2009. A prova do Qatar entrou como substituta da Austrália neste ano e fará parte do calendário permanente a partir de 2023. Mas a presença de investimentos da região na categoria começou ainda no final da década de 1970 começando justamente pelos sauditas, que patrocinaram a Williams. Outro empresário do país, Mansour Ojjeh, começou uma parceria de décadas com a McLaren também nesta época.