PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Medina abre mão de etapas da WSL para cuidar da saúde física e mental

Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

24/01/2022 16h16

O surfista Gabriel Medina vai abrir mão de participar das primeiras etapas do circuito mundial de surfe. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (24), pela equipe do tricampeão mundial, depois de a informação ser publicada em primeira mão pelo jornal O Globo.

De acordo com o jornal, Medina decidiu ficar no Brasil para cuidar de sua saúde mental, depois de um ano de 2021 conturbado, no qual rompeu relações com a mãe, Simone, e o padrasto e treinador, Charles Saldanha. Pessoas próximas informaram à coluna, porém, que a razão para não viajar seria cuidar de uma lesão que o acompanha desde a etapa final. Em nota, ele alegou as duas coisas.

"Por mais que eu queira estar na água surfando e competindo, eu não estou bem física e emocionalmente para isso. E reconhecer que cheguei ao limite tem sido um processo duro. No final do ano passado, eu lesionei o meu quadril. Desde então, estava fazendo fisioterapia, tomei a vacina e venho me cuidando para estar bem para esse ano. No entanto, ainda não estou 100%", afirmou, em nota.

"Somado ao corpo vem a mente, que também não está na melhor fase. Venho de meses desgastantes. E eu preciso olhar para mim nesse momento e me cuidar. Para quem não está bem, tomar uma decisão como essa não é fácil", continuou, sem deixar claro quantas etapas deverá perder.

A janela para a primeira etapa do circuito em 2022 abre no próximo dia 29 de janeiro em Pipeline, no Havaí. Medina chegou a se inscrever para a competição, tanto que o nome dele foi sorteado para uma das chaves de primeira rodada da etapa, contra Callum Robson e Ivan Florence. Medina também não vai participar da etapa seguinte do circuito, em Sunset, na Austrália, com janela abrindo no dia 11 de fevereiro. Todo o circo da WSL vai direto do Havaí para a Austrália, sem o brasileiro.

A Austrália não permite a entrada de pessoas não vacinadas, como ficou claro no caso Djokovic, mas Gabriel Medina, que chegou a criar polêmica por não ter se vacinado, deixou claro, na nota divulgada há pouco, que se vacinou contra a covid, refutando, assim, qualquer especulação sobre os motivos de não viajar.

Como detalhou o Olhar Olímpico no fim do ano passado, Gabriel entrou em litígio contra a mãe e o padrasto. Para encerrar a disputa, abriu mão do prédio onde ficava o Instituto Gabriel Medina, em Maresias. Ele também se reaproximou do pai, Claudinho.

"Eu me questionei mil vezes se eu deveria me expor ou não. Se eu comunicaria apenas que não competiria por meio de uma nota oficial mais formal…Mas eu não acho justo. E porque também não tenho motivos para esconder. A saúde física é muito importante, mas a saúde mental é tão importante quanto. Não tem como estar 100% se uma não está alinhada com a outra. Eu já estou me tratando, cuidando mesmo de mim, e vou priorizar a minha saúde nesse momento. Estou empenhado e focado para voltar bem e encontrar vocês assim que eu estiver pronto. Desde já eu agradeço a atenção, a compreensão e o carinho dos meus fãs, da imprensa e o respeito dos meus patrocinadores", encerrou.

Pelas regras históricas da WSL, ficar fora de duas etapas poderia custar o título da temporada para um surfista. Mas, desde o ano passado, a WSL usa um modelo no qual todos os cinco primeiros colocados ao fim da temporada chegam a uma etapa final podendo ser campeões. Medina, atual campeão, levou isso em consideração para decidir abrir mão das primeiras etapas.