PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Brasil vai disputar bronze inédito no Mundial de Tiro com Arco

 Ane Marcelle dos Santos - Jonne Roriz/COB
Ane Marcelle dos Santos Imagem: Jonne Roriz/COB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

22/09/2021 20h36

O Brasil conquistou dois resultados históricos no tiro com arco, hoje (22), no Mundial que está sendo disputado em Yankton, nos Estados Unidos. A equipe masculina avançou até as quartas de final, mas foi derrotada pela Coreia do Sul, campeã olímpica em Tóquio. Já a equipe feminina alcançou uma inédita semifinal e vai enfrentar a França, sexta-feira (24), em busca da medalha de bronze.

O país nunca subiu ao pódio de um Mundial no arco recurvo, versão olímpica da modalidade, e terá essa oportunidade com a equipe formada por Ana Marcelle, que foi a única representante do país na Olimpíada, pela experiente Sarah Nikitin, que foi às Olimpíadas de Londres e do Rio, e pela novata Ana Machado.

Nesta quarta, nos Estados Unidos, elas venceram três confrontos contra Canadá, Rússia e Itália. As russas foram medalhistas de prata em Tóquio por equipes e contaram com Elena Osipova, prata no Japão no individual. Já o time italiano contava com Lucilla Boardi, bronze individual na Olimpíada.

Mas, na semifinal, as brasileiras acabaram derrotadas por 6 a 0 pelo México. Na final, sexta, as mexicanas encaram a favorita Coreia do Sul, que eliminou a França, time que vai duelar com o Brasil pelo bronze. Também hoje, Marcus Vinicius e Ane Marcelle competiram juntos nas duplas mistas, mas foram derrotados nas oitavas de final por Taiwan.

O Brasil já havia começado muito bem o Mundial ontem (21), na fase de ranqueamento, quando Marcus Vinicius D'Almeida ficou na segunda colocação entre mais de 100 participantes, com 670 pontos. Isso dá a ele o direito de entrar já na terceira fase, oitavas de final, amanhã.

Até hoje, Marcus Vinicius é o responsável pelos resultados mais expressivos do Brasil no tiro com arco olímpico. Ele foi prata na Olimpíada da Juventude, em 2014, e repetiu essa medalha na final da Copa do Mundo daquela temporada. Em 2019, faturou a primeira medalha de prata do país em Jogos Pan-Americanos.