PUBLICIDADE
Topo

CBB diz que Magnano não deixou legado e que crítica a atletas é 'covarde'

Rúben Magnano em derrota da seleção brasileira de basquete para a Croácia - Diego Padgurschi / Folhapress
Rúben Magnano em derrota da seleção brasileira de basquete para a Croácia Imagem: Diego Padgurschi / Folhapress
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

15/06/2020 12h33

A Confederação Brasileira de Basquete (CBB) resolveu entrar em conflito com o treinador da seleção masculina nos últimos dois ciclos olímpicos. Em nota não assinada - portanto, institucional - a entidade rebateu críticas feitas pelo técnico Ruben Magnano de que faltava comprometimento a alguns atletas da seleção e atacou o argentino, dizendo que ele não deixou nenhum legado ao país. Foi com ele como treinador que o Brasil voltou a se classificar a uma Olimpíada, de Londres, após 16 anos de ausência.

"Ao invés de se eximir da culpa, Rubén Magnano precisa aceitar que os sete anos de trabalho à frente da Seleção Brasileira masculina adulta não deixaram qualquer legado para o basquete brasileiro, mesmo com o salário astronômico que recebia. Mais do que isso, precisa explicar o motivo disso. Culpar seus comandados durante todo esse período é saída fácil, baixa e covarde", reclamou a CBB, em nota. Foi a própria confederação que aceitou pagar um salário "astronômico" ao treinador campeão olímpico.

Pelo Twitter, o diretor-executivo (CEO) da CBB, Marcelo Sousa, braço-direito do presidente Guy Peixoto, disse que Magnano está "no lixo do basquete brasileiro". O treinador comandou a seleção brasileira por seis anos e meio e saiu após os Jogos Olímpicos do Rio, quando o Brasil foi eliminado na primeira fase. Antes, o argentino levou a seleção ao quinto lugar em Londres-2012 e ao sexto lugar no Mundial de 2014. No ano passado, já sem ele, na gestão Guy, a seleção foi 13ª no Mundial e mesmo assim o técnico Aleksandar Petrovic foi mantido no cargo.

Em uma live de Instagram na semana passada, mas que começou a repercutir no domingo (14) na comunidade do basquete brasileiro, Magnano relacionou a falta de um resultado expressivo treinando o Brasil à dificuldade de conseguir comprometimento de uma geração de jovens jogadores.

"O tema do compromisso em uma seleção nacional é determinante na hora de buscar o resultado. Não consegui de pronto o compromisso que eu queria com os jovens para formar parte da seleção. Sem o compromisso é muito difícil, por mais que se tenha nome e talento", disse Magnano, citando também que parte dos brasileiros que estava na NBA jogava pouco por suas equipes.

Durante boa parte de sua passagem pela seleção brasileira, Magnano teve que lidar com pedidos de dispensa. Marquinhos, Leandrinho e Nenê, entre outros, recusaram convocações. O treinador nunca escondeu esse incômodo, mas reabriu as portas da seleção para os veteranos, que reclamavam de serem expostos ao serem convocados mesmo depois de avisarem que não poderiam aceitar o chamado. Magnano não abria mão de chamar os que considerava os melhores.

Na véspera da Olimpíada do Rio, Lucas Bebê, Bruno Caboclo e Cristiano Felicio pediram dispensa para disputarem a liga de verão da NBA, deixando o treinador "chateado", como contou na época. "Faz anos que estou tentando uma convocação com atletas mais jovens. Mas muitos casos ainda vão muito além. Não é por falta de vontade nossa", disse o treinador na primeira entrevista coletiva da fase final de treinamentos para a Olimpíada do Rio. Já na ocasião, ele reclamava dessa falta de comprometimento, citando que queria ter Bebê e Felício no grupo, mas não podia.

Depois, com Varejão cortado, ele acabou convocando Felicio. Agora a CBB se solidariza com os atletas. Na nota, manifestou "repúdio" contra s declarações do treinador e citou que o treinador falou em falta de comprometimento "mesmo tendo comandado uma geração comprovadamente talentosa".