PUBLICIDADE
Topo

Lei em Campo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Esporte e direito desportivo de luto. Morre Roberto Cicivizzo

Lei em Campo

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós graduado e mestrando em Direito Desportivo, é conselheiro do Instituto Ibero Americano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro "#Prass38".

21/02/2021 21h25

Por Gabriel Coccetrone

O direito desportivo e o esporte estão de luto. Neste domingo (21) morreu o vice-presidente do Departamento de Segurança e Prevenção de Violência da Federação Paulista de Futebol (FPF), Roberto Cicivizzo Júnior em decorrência de complicações da Covid-19. Cicivizzo era um dos maiores nomes do direito na área do esporte na América do Sul.

O amigo e colunista do Lei em Campo Wladimyr Camargos destaca que "Roberto Cicivizzo foi o maior especialista em legislação voltada para segurança em eventos esportivos na América do Sul. Também foi um grande diplomata da nossa área. Acima de tudo, Roberto sempre se mostrou um amigo leal e pude ver o grande pai e esposo que era. Estou sem palavras para expressar a dor que sinto neste momento"

Cicivizzo estava internado desde janeiro em um hospital na cidade de Córdoba, na Argentina, após ser infectado pelo novo coronavírus. O dirigente chegou ao país para atuar como oficial de segurança da final da Copa Sul-Americana, disputada no último dia 23 e vencida pelo Defensa y Justicia.

O brasileiro teve o diagnóstico positivo para a Covid-19 alguns dias após a partida e teve que ser internado depois que começou a apresentar falta de ar. Com seu quadro agravado, Cicivizzo teve que ser intubado e acabou não resistindo.

Em nota divulgada há pouco, a Conmebol lamentou o falecimento do dirigente e declarou luto oficial pelos próximos três dias: "Em nome do presidente Alejandro Domínguez, a Conmebol expressa seus mais sentidos pêsames para os familiares e amigos do senhor Cicivizzo. Um homem de excelente carreira, que demonstrou comprometimento, responsabilidade e grande espírito de trabalho pelo desenvolvimento do futebol sul-americano".

A morte de Cicivizzo provocou uma onda de tristeza no meio esportivo. "O Robertinho realizou para o futebol um trabalho incrível em especial na luta contra a violência das torcidas, acompanhei sua trajetória e sou testemunha do ser humano que era, perdemos um amigo, sentiremos sua falta!" disse Paulo Feuz, amigo e auditor do Pleno do STJD.

Maurício Corrêa da Veiga, advogado e colunista do Lei em Campo, também destaca o papel fundamental que Cicivizzo teve na segurança no futebol: ""uma das virtudes do Direito Desportivo é permitir o surgimento de novas amizades e promover o encontro com pessoas diferenciadas. Roberto Cicivizzo era uma de grandes qualidades. Além de um amigo e parceiro, teve papel destacado no aprimoramento da segurança que envolve as partidas de futebol na América do Sul. Sua precoce partida deixa um grande vazio."

O presidente do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo, Leonardo Andreotti fez questão de lembrar como a figura de Cicivizzo aproximava pessoas: "Robertinho é daquelas pessoas únicas e incríveis, que se nota por sua humildade, por seu carisma, pela simplicidade natural e, sobretudo pelo senso de amizade que a todos inspira. Vai fazer muita falta, e a lembrança será sempre de uma pessoa espetacular! Que descanse em paz, esse grande e querido amigo!"

A presidente da Sociedade Brasileira de Direito Desportivo, Flávia Zanini, escreveu que Cicivizzo deixa um enorme legado ao direito desportivo: "A Sociedade Brasileira de Direito Desportivo, por meio de sua Presidente e seus associados, vem manifestar seu mais profundo pesar pelo falecimento de Roberto Cicivizzo Jr., ocorrido neste domingo dia 21 de Fevereiro. Ele nos deixa um legado de contribuição e inúmeros amigos na área Desportiva Brasil e mundo afora. Neste momento de dor, a SBDD se solidariza com familiares, amigos e todos aqueles que tiveram a oportunidade e o privilégio de conviver com o Dr. Roberto, deixando as mais sinceras condolências por esta perda inestimável, leva muito de nós e nos deixa com muito de si".

O presidente do Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e colunista do Lei em Campo, Luiz Marcondes, era muito próximo de Cicivizzo e lembra a imensa capacidade de agregar e conciliar do advogado: "o direito desportivo e o esporte brasileiro, iberoamericano e mundial perderam um dos seus grandes nomes. Era um dos maiores pacificadores de conflitos no esporte, único. Apaixonado pelo esporte e sobretudo pelo futebol. Eu ganhei no direito desportivo um amigo que se tornou irmão. Descanse em paz, meu irmão, um dia estaremos juntos. Que você possa ao lado de Deus, organizar grandes jogos no céu"

Roberto Cicivizzo, era advogado e foi vice-presidente jurídico da FPF. Além de vice-presidente do Departamento de Segurança e Prevenção de Violência da Federação Paulista de Futebol, ele também era delegado da Conmebol e da FIFA.

O Lei em Campo também se solidariza com todos os familiares e amigos nesse momento de dor. Roberto Cicivizzo deixa um legado importantíssimo para o direito desportivo. Referência na área, ele sempre foi um colaborar generoso e constante para o projeto.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL