PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Tropeço do Atlético contra o Bayern reserva destrói planos de Simeone

Muller comemora o gol de empate do Bayern de Munique contra o Atlético de Madri na Liga dos Campeões - NurPhoto/NurPhoto via Getty Images
Muller comemora o gol de empate do Bayern de Munique contra o Atlético de Madri na Liga dos Campeões Imagem: NurPhoto/NurPhoto via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

01/12/2020 19h39

O Atlético de Madrid tinha a faca e o queijo na mão. Enfrentava um Bayern de Munique reserva, que nem sequer levou Neuer e Lewandowski, por exemplo, para o duelo na Espanha. Era só ganhar e garantir a classificação na Liga dos Campeões da Europa.

Foi um primeiro tempo ótimo do Atlético, que fez um gol (João Félix), acertou a trave, dominou completamente o Bayern-B. No segundo tempo, Félix voltou a acertar o travessão. Mas aí o time foi recuando, o Bayern colocou alguns titulares em campo e... deu ruim para o time de Simeone. Deu ruim na Champions e deu ruim pensando em Liga espanhola. Já explico.

O uruguaio Giménez saiu machucado, entrou em campo Felipe e foi justamente o zagueiro brasileiro que cometeu o pênalti bobo sobre Thomas Muller aos 40min do segundo tempo. O próprio Muller decretou o empate, que serve apenas para o Bayern manter uma longa invencibilidade europeia - a última derrota foi em março de 2019, para o Liverpool, e foram 15 vitórias seguidas depois disso, até o empate de hoje.

Agora, o Atlético vai ter de jogar uma partida de mata-mata antes do mata-mata. Viaja à Áustria na última rodada para enfrentar um RB Salzburg que é o time mais "maluco" da Champions. Os jogos do time da Red Bull têm média de 5 gols, nenhum outro time tem partidas tão cheias de gols, a favor ou contra, na Europa. O Atlético terá a vantagem do empate para passar de fase. Mas, se perder, estará eliminado.

Tem outro fator. O jogo da quarta-feira que vem antecede o clássico contra o Real Madrid, pelo Campeonato Espanhol. O Atlético está na vice-líderança da Liga, mas é virtual líder, pois tem um ponto e dois jogos a menos que a Real Sociedad. O Real Madrid, atual campeão, tem seis pontos a menos que o Atlético. O dérbi, que será disputado daqui a 10 dias, é uma grande chance de o Atlético abrir uma vantagem enorme para o grande rival.

O Real Madrid também terá um jogo de vida ou morte na semana que vem, antes do dérbi. Será contra o Borussia Moenchengladbach, em Madri, e o Real precisa da vitória para não ser eliminado na fase de grupos da Champions pela primeira vez.

O Atlético tinha, contra o Bayern reserva, a chance de ganhar uma enorme vantagem. Poderia mandar um time totalmente reserva para enfrentar o Salzburg, poupando os titulares da viagem e da pressão na Áustria, focando no clássico. Simeone não contava com o tropeço de hoje.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL