PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Real Madrid vai se acostumando a passar vergonha; entenda as contas

Dentinho comemora gol do  Shakhtar contra o Real Madrid, em jogo da Liga dos Campeões - Anadolu Agency via Getty Images
Dentinho comemora gol do Shakhtar contra o Real Madrid, em jogo da Liga dos Campeões Imagem: Anadolu Agency via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

01/12/2020 16h52

(post atualizado após Borussia Moenchengladbach 2 x 3 Inter de Milão)

O Real Madrid voltou a perder do Shakhtar Donetsk, agora por 2 a 0, em Kiev, e complicou de novo o que havia descomplicado. Para se classificar para as oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa e evitar um vexame histórico, o Real terá de vencer o Borussia Moenchengladbach na última rodada.

O Real nunca ficou pelo caminho na fase de grupos da Champions, desde a criação do torneio, nos anos 90. Com duas vitórias sobre a Inter de Milão, o time de Zidane havia descomplicado o grupo. Mas uma nova derrota para o Shakhtar volta a complicar as coisas.

Que só não ficaram piores porque o Borussia Moenchengladbach perdeu por 3 a 2 para a Inter de Milão. Se o time alemão tivesse vencido, o Real não dependeria apenas das próprias forças na última rodada.

É o grupo mais embolado do torneio. Os alemães estacionaram nos 8 pontos, Shakhtar e Real têm 7, a Inter foi a 5. Na última rodada, o Gladbach entra com vitória ou empate em Madri. Se perder, ainda pode entrar caso haja empate na outra partida. O Real depende de vitória simples, mas, se empatar, ainda pode entrar caso a Inter vença o Shakhtar em Milão, que é o placar mais provável.

O Shakhtar depende "apenas" de vitória em Milão e entra também com empate caso o Real Madrid não vença. E a Inter de Milão é a única que não depende apenas de si. Tem que ganhar dos ucranianos e torcer para que não haja empate no jogo de Madri.

Um detalhe dos jogos desta terça. O Shakhtar, esse mesmo que acaba de vencer duas vezes o Real Madrid, perdeu de 6 a 0 e de 4 a 0 do Borussia Moenchengladbach nas rodadas anteriores. Não é, portanto, exatamente o melhor Shakhtar da história.

Também não é o melhor Real Madrid da história, longe disso, ainda que estejam em campo muitos dos caras que participaram de uma história recente muito vencedora.

Em poucos meses, o Real já perdeu duas vezes do Shakhtar, perdeu de Cádiz, Alavés, levou 4 do Valencia. É um time que está se acostumando cada vez mais a dar papelão.

Sem Sergio Ramos, o Real perde intensidade e alma. Mas como pode um clube deste tamanho ser refém de um zagueiro? Onde estão Modric, Kroos, Varane, Benzema...?

Zidane voltou a deixar Casemiro no banco e apostar em Odegaard. No primeiro tempo, o Real jogou bem e Asensio levou perigo em várias jogadas. Mas uma bobeada de Varane e Mendy facilitou a vida para Dentinho abrir o placar no segundo tempo. A partir daí, o Shakhtar começou a ter um contra ataque atrás do outro para cima de um Real atordoado e sem rumo. O segundo gol era questão de tempo, enquanto o Madrid criava poucas chances de empate. Solomon decretou o 2 a 0 nos minutos finais.