PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Um Bayern vulnerável como nunca vence, como sempre, na Champions League

Goretzka abriu o placar para o Bayern de Munique contra o Lokomotiv - MAXIM SHIPENKOV/AFP
Goretzka abriu o placar para o Bayern de Munique contra o Lokomotiv Imagem: MAXIM SHIPENKOV/AFP
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

27/10/2020 16h52

O Bayern de Munique é feito de seres humanos. Que bom saber disso! Em uma noite fria de Liga dos Campeões, lá em Moscou, o campeão europeu mostrou uma vulnerabilidade muito, muito rara de se ver.

Mas venceu, lógico. Como não? Foi um Bayern frágil como nunca, mas que ganhou, como sempre. No ano corrido de 2020, lá se vão 31 vitórias em 33 jogos. Na Champions, considerando a temporada passada, são 13 vitórias consecutivas.

Mas nesta terça, diante do Lokomotiv Moscou, o Bayern mostrou uma faceta que não conhecíamos. A de um time petulante, até, que achava que ganharia a qualquer momento, do jeito que quisesse. Fez um jogo blasé, quase sem coração. O campeão menosprezou o adversário, não se preocupou em fechar espaços, pressionar, correr atrás.

O Lokomotiv Moscou teve chances claras para abrir o placar, depois para empatar, até que empatou. E, por fim, teve chance enorme para virar a partida. Até que Kimmich (que craque!) encontrou um belo chute de fora da área para acabar com a brincadeira.

Antes disso, ele já havia dado um passe magistral para Coman, livre, chutar para fora. O Bayern também havia tido um pênalti sobre Lewandowski "desmarcado" pelo VAR por um suposto impedimento no lance anterior (a TV não mostrou).

Quem viu a semifinal da última Champions, entre Bayern e Lyon, vai se lembrar da possibilidade de encontrar espaços nas costas das linhas de proteção do time de Hansi Flick. O problema é que, hoje, o Lokomotiv fez isso durante toda a partida, independente do placar e sem que o adversário mostrasse preocupação.

É claro que, na hora de jogar um jogo grande, os caras focam novamente e não dão tanta sopa para o azar. É por isso que ressalto o lado humano deste Bayern. Todos nós podemos ser frágeis e vulneráveis, oras bolas. Em todos os esportes vemos times superiores relaxarem, isso acontece.

É que não parecia ser nunca o caso do Bayern, como aconteceu em Moscou. O risco do empate foi eminente até o último minuto de jogo. No fim, 2 a 1 para o campeão europeu, que já encaminha a classificação para as oitavas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL