PUBLICIDADE
Topo

Futebol pelo mundo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Perdão de Deschamps leva Benzema de volta à seleção francesa após seis anos

Karim Benzema comemora gol pelo Real Madrid; jogador está de volta à seleção francesa - Reprodução/La Liga
Karim Benzema comemora gol pelo Real Madrid; jogador está de volta à seleção francesa Imagem: Reprodução/La Liga
João Henrique Marques

Jornalista desde 2005, passou por Lance ! e Terra. É correspondente do UOL Esporte na Europa desde 2013, com base em Barcelona e depois Paris. Cobriu Copa do Mundo, Eurocopa e cinco finais de Liga dos Campeões.

Colunista do UOL

18/05/2021 09h46

Está programada para hoje (18) a convocação da seleção francesa para a Eurocopa, que será disputada em junho. A lista do treinador Didier Deschamps terá uma grande novidade: o retorno de Karim Benzema, atacante do Real Madrid. O jogador passou seis anos afastado da equipe nacional após ser acusado de usar um vídeo íntimo para extorquir o meia Mathieu Valbuena.

O entorno de Deschamps já fez chegar aos principais veículos de imprensa da França a informação de que Benzema está de volta. O atacante mudou hoje a descrição de seu perfil no Twitter e escreveu "jogador da seleção francesa e do Real Madrid", tratando o retorno com orgulho.

A reviravolta no cenário de Benzema deve ser explicada na entrevista coletiva de Deschamps. Até semana passada, o treinador dava entrevistas dizendo que não contava com o atacante. O cenário mudou quando a Uefa liberou a convocação de 26 jogadores para a Eurocopa, três a mais do que os costumeiros 23. Assim, o jogador do Real Madrid não vai tirar a vaga de Kylian Mbappé, Olivier Giroud ou Anthony Martial.

Além disso, o entorno de Deschamps avalia que Benzema ainda é o melhor centroavante do futebol francês. Seu caso é comparado pela comissão técnica com o de Adrien Rabiot, que ficou fora da última Copa do Mundo após se negar a ficar no banco da seleção. Por isso, parecia que nunca mais seria convocado. No entanto, o meio-campista da Juventus voltou a ser chamado no ano passado e foi até titular em jogos importantes das Eliminatórias da Eurocopa.

O retorno de Benzema agrada a boa parte da França. Em enquete promovida pelo jornal esportivo francês L'Équipe, quase 70% dos votos foram de aprovação à notícia. Em 2016, quando deixou de ser convocado, o atacante, descendente de argelinos, chegou a dizer que havia racismo na decisão.

"Ele [Deschamps] cedeu à pressão da parte racista da França. Ele tem que saber que na França o partido extremista chegou no segundo turno nas duas últimas eleições. Eu não sei, entretanto, se é uma decisão somente de Didier, porque eu estive com ele, com o presidente, como todo mundo. Eu não tenho problemas com ninguém. Estou com a França e os quero bem", disse Benzema, na ocasião.

Apesar da acusação, as listas de Deschamps sempre tiveram jogadores com ascendência africana, como Steve Mandanda (Congo), Samuel Umtiti (Camarões), Patrice Evra (Senegal), Paul Pogba (Guiné), Blaise Matuidi (Angola), N´Golo Kanté (Mali) e Moussa Sissoko (Mali).

Nos bastidores, havia o entendimento de que o episódio com Valbuena seria o responsável pelo fim da trajetória de Benzema na seleção. Em 2016, o atacante do Real Madrid foi acusado de participar de um esquema que visava extorquir o compatriota utilizando um vídeo íntimo.

Na ocasião, a quadrilha ameaçou Valbuena de tornar pública a gravação de uma relação sexual do meia se não recebesse um "resgate" de 150 mil euros (R$ 980 mil, na cotação atual). Benzema, que sempre negou envolvimento no caso, será julgado na França em outubro pelo incidente.