PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Parceiro de seleção feminina reage à crise de Caboclo: "Acusações graves"

Solange Ribeiro, diretora presidente adjunta da Neoenergia, e Lorenzo Perales, diretor comercial da CBF - Thais Magalhães/CBF
Solange Ribeiro, diretora presidente adjunta da Neoenergia, e Lorenzo Perales, diretor comercial da CBF Imagem: Thais Magalhães/CBF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

05/06/2021 15h29

A Neoenergia, patrocinador exclusivo da seleção feminina, manifestou preocupação com as acusações contra o presidente da CBF, Rogério Caboclo. Na sexta-feira (4), uma funcionária protocolou no Comitê de Ética da entidade uma denúncia de abuso moral e sexual por parte do cartola.

Em nota enviada ao blog, a empresa afirmou que acompanha com muita preocupação e ressaltou que a denúncia vai contra o valor que a empresa tem como premissa.

"A Neoenergia acompanha com atenção a evolução das apurações sobre o caso. As acusações são graves e apontam condutas em total desacordo com nossos valores e princípios. Nosso patrocínio tem como premissa valorizar e e ampliar a participação da mulher no contexto social e profissional, reforçando nosso compromisso com a equidade de gênero", afirmou a empresa.

A empresa foi anunciada no último dia 1º como a primeira patrocinadora exclusiva da seleção feminina de futebol. A empresa também passou a ter o naming rights do Brasileirão para mulheres. O contrato com a CBF vai até 2024 e prevê a exibição da marca no uniforme de treino, ações promocionais, ativações nas redes sociais e presença nos backdrops do time.

Essa é a sétima manifestação de um patrocinador da entidade em relação à crise vivida pelo cartola na entidade. Como já havia mostrado o blog do Rodrigo Mattos, Nike, Itaú, Gol, Mastercard, Ambev e Vivo já tinham deixado claro que se preocupam com o caso.