PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras faz o suficiente para vencer e acha lugar para Rony: na altitude

Jogadores do Palmeiras comemoram gol de Willian contra o Bolívar (BOL) em jogo da Copa Libertadores - David Mercado - Pool/Getty Images
Jogadores do Palmeiras comemoram gol de Willian contra o Bolívar (BOL) em jogo da Copa Libertadores Imagem: David Mercado - Pool/Getty Images
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

16/09/2020 23h23

O Palmeiras jogou o suficiente para voltar de La Paz com os três pontos na bagagem e uma confortável situação no grupo B da Libertadores, com 100% de aproveitamento. No 2 a 1 diante do Bolívar nesta quarta-feira, o Alviverde não brilhou, mas também não correu grandes riscos.

É difícil saber o que causou mais impacto no jogo com pouca qualidade técnica: a altitude que consumiu a energia dos brasileiros ou os seis meses sem jogar dos bolivianos. Ao contrário das equipes do Brasil, as da Bolívia pararam em março por conta da pandemia e só voltaram agora.

A boa novidade para os palmeirenses foi a atuação de Rony, eleito o melhor da partida. Pela primeira vez desde a sua chegada ao Palestra Itália, o atacante não fez uma partida desastrosa. Se normalmente os que sobem a montanha têm medo da falta de ar, com ele, foi o oposto. Sem sentir a altitude pelo menos nos primeiros 45 minutos, ele foi o que se destacou e sofreu o pênalti convertido por Willian quando o jogo dava sono. Quem sabe não é aquela partida que dê a confiança para fazer vingar a contratação mais cara da temporada.

No segundo tempo, Rony apareceu de novo, mas com mais discrição. Ele deu um passe lateral para Gabriel Menino, que acertou um chute sensacional de fora da área para fazer o 2 a 0. Foi no melhor estilo Cleiton Xavier, na mesma Libertadores, com o mesmo Vanderlei Luxemburgo no banco, em 2009, contra o Colo Colo.

Considerando que o time paulista não teve Luiz Adriano, Lucas Lima e Patrick de Paula por questões físicas, o resultado está de bom tamanho, mas fosse o adversário um pouco mais qualificado, o torcedor ia ter passado um pouco mais de nervoso.

Especialmente nos minutos finais, quando o cansado Palmeiras recuou demais e chamou o adversário para dentro do seu campo. E aí foi um show de bolas alçadas na área, com os zagueiros afastando para onde apontava o nariz. Foi em um desses lançamentos, inclusive, que os bolivianos conseguiram desviar para diminuir o placar. Aos 40 minutos do 2º tempo, Vanderlei Luxemburgo travou o time de vez e colocou três zagueiros em campo para garantir o triunfo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.