PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Campo Livre


Campo Livre

Sabendo usar, o VAR só vai ajudar

Agustin Marcarian/Getty Images
Imagem: Agustin Marcarian/Getty Images
Oscar Roberto Godoi

Oscar Roberto Godoi

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000

26/10/2018 12h53

Passada a tormenta provocada pelas péssimas arbitragens na rodada anterior do Brasileirão-18, o que vimos durante a semana nos jogos semifinais da Libertadores merece elogios. Tanto no triunfo do Grêmio sobre o River Plate, como na vitória do Boca Juniors diante do Palmeiras, os árbitros mostraram como o VAR deve ser usado, ou não, corretamente. Essa inovação, incorporada recentemente às regras do jogo, veio para ajudar a arbitragem.

Nos dois confrontos envolvendo argentinos x brasileiros, os árbitros assumiram a responsabilidade pelas decisões e não interromperam os jogos em nenhum momento para analisarem as imagens. Mostraram que, quando estão respaldados pelos dirigentes que os comandam, se sentem seguros para interpretar e decidir. Para felicidade de todos os segmentos envolvidos, tivemos duas arbitragens corretas.

Outra competição que teve jogos importantes com a presença do VAR foi a Copa Sul-americana. Diferentemente da Libertadores, os árbitros precisaram recorrer ao vídeo para confirmar ou modificar a interpretação inicial. O Bahia foi derrotado em Salvador pelo Atlético-PR e teve dois gols anulados com a chancela do VAR. O Fluminense não conseguiu derrotar o Nacional-URU, mesmo jogando no Rio de Janeiro. Empatou por 1 a 1, tendo um gol anulado com auxílio do VAR.

Diferentemente do que acontece nos jogos envolvendo nossos clubes e jogadores nas competições nacionais, as paralisações foram rápidas e as decisões finais respeitadas sem reações de protestos. Mesmo amparado pela regra - jogo perigoso - entendo que o árbitro argentino Fernando Rapallini deveria ter validado o gol de Clayton. Ergueu o pé, mas não colocou em risco a integridade física do adversário.

O árbitro paranaense Rafael Traci ganhou o sorteio e terá a difícil incumbência de apitar o confronto entre Flamengo x Palmeiras. Com pouco tempo de carreira e jovem, tem a chance de mostrar se é ou não competente. Chegou onde está por méritos ou apadrinhamento? Para dar conta do recado terá que apitar muito mais do que fez no jogo Vitória x Corinthians. Espero e desejo que ele se consagre.

Campo Livre