PUBLICIDADE
Topo

Quaest para o Senado-RJ: Romário lidera; Molon, Clarissa e Silveira empatam

Senador Romário (PL-RJ) - Geraldo Magela/Agência Senado
Senador Romário (PL-RJ) Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

Giovanna Galvani

Do UOL, em São Paulo

14/07/2022 12h42Atualizada em 14/07/2022 12h42

Pesquisa realizada pelo Instituto Quaest, contratada pelo Banco Genial e divulgada hoje, aponta o senador Romário (PL-RJ) à frente na disputa pela vaga única para o Senado pelo Rio de Janeiro, com 32% das intenções de voto na pesquisa estimulada —quando o entrevistado recebe uma lista com os nomes—, no cenário com sete pré-candidatos.

Em seguida, aparecem os deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ), com 11%, Clarissa Garotinho (União Brasil-RJ), com 9%, e Daniel Silveira (PTB-RJ), com 7%. Como a margem de erro é de 2.8 pontos percentuais para mais ou menos, os parlamentares encontram-se empatados tecnicamente.

O presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), André Ceciliano (PT-RJ), obteve 5% das intenções de voto, enquanto o deputado Otoni de Paula (MDB-RJ) registrou 4%, e o ex-deputado Marcelo Itagiba (Avante), 1% —eles empatam tecnicamente entre si. Na margem de erro, Ceciliano também está no mesmo patamar que Clarissa e Silveira, enquanto Otoni iguala apenas com Silveira.

Eleitores que disseram que votarão em branco ou que anularão e os que afirmara que não pretendem votar somaram 28%, e 5% ainda estão indecisos.

A pesquisa não pode ser comparada à edição anterior da Quaest sobre o Senado, porque houve mudanças na lista apresentada aos entrevistados. Em maio, última vez que a pesquisa foi aplicada, constavam o ex-prefeito da capital fluminense Marcelo Crivella (Republicanos-RJ) e o deputado Washington Reis (MDB-RJ).

A sondagem ouviu 1.200 pessoas presencialmente entre os dias 8 e 11 de julho. O índice de confiança é de 95% e o custo foi de R$ 123.500. O registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é RJ-05160/2022.

Pesquisa estimulada

A Quaest fez uma sondagem com quatro cenários estimulados diferentes. Em um deles, o ex-presidenciável Cabo Daciolo (PDT-RJ) soma 8% das intenções de voto quando concorre sem a presença de Daniel Silveira. Veja o detalhamento abaixo.

    Cenário 1 (sem Cabo Daciolo)

    • Romário (PL): 32%
    • Alessandro Molon (PSB): 11%
    • Clarissa Garotinho (União Brasil): 9%
    • Daniel Silveira (PTB): 7%
    • André Ceciliano (PT): 5%
    • Otoni de Paula (MDB): 4%
    • Marcelo Itagiba (Avante): 1%
    • Branco/Nulo/Não pretende votar: 28%
    • Indecisos: 5%

    Cenário 2 (sem Cabo Daciolo, André Ceciliano e Otoni de Paula)

    • Romário (PL): 33%
    • Alessandro Molon (PSB): 13%
    • Clarissa Garotinho (União Brasil): 11%
    • Daniel Silveira (PTB): 7%
    • Marcelo Itagiba (Avante): 1%
    • Branco/Nulo/Não pretende votar: 27%
    • Indecisos: 4%

    Cenário 3 (sem Molon e Cabo Daciolo)

    • Romário (PL): 33%
    • Clarissa Garotinho (União Brasil): 12%
    • Daniel Silveira (PTB): 7%
    • André Ceciliano (PT): 8%
    • Otoni de Paula (MDB): 4%
    • Marcelo Itagiba (Avante): 1%
    • Branco/Nulo/Não pretende votar: 30%
    • Indecisos: 4%

    Cenário 4 (sem Daniel Silveira)

    • Romário (PL): 37%
    • Alessandro Molon (PSB): 11%
    • Clarissa Garotinho (União Brasil): 7%
    • Cabo Daciolo (PDT): 8%
    • André Ceciliano (PT): 4%
    • Otoni de Paula (MDB): 4%
    • Marcelo Itagiba (Avante): 1%
    • Branco/Nulo/Não pretende votar: 24%
    • Indecisos: 4%

    Pesquisa espontânea

    A Quaest também questionou os entrevistados sem apresentar uma lista prévia dos concorrentes à vaga única do Senado pelo Rio de Janeiro: 90% dos eleitores se dizem indecisos, e os pré-candidatos citados empatam pela margem de erro.

    • Romário (PL): 3%
    • Alessandro Molon (PSB): 1%
    • Indecisos: 90%
    • Outros: 2%
    • Branco/Nulo/Não pretende votar: 3%

    Sobre o instituto

    O Quaest é um instituto de pesquisas com sede em Belo Horizonte. Até 2020, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a empresa realizava pesquisas eleitorais só em Minas Gerais. Hoje, faz levantamentos sobre intenções de voto para presidente, governador e para o Senado em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. O instituto tem uma parceria com a Genial Investimentos, a qual financia levantamentos para as eleições de 2022. As pesquisas são realizadas com entrevistas presenciais.