PUBLICIDADE
Topo

Weintraub: Bolsonaro não deve se reeleger devido a economia e 'escândalos'

Jair Bolsonaro e Abraham Weintraub - Reprodução/Facebook
Jair Bolsonaro e Abraham Weintraub Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

25/05/2022 08h45

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub (PMB), pré-candidato ao governo de São Paulo, afirmou hoje que o cenário econômico no Brasil deve piorar nos próximos meses e que, com isso, o presidente Jair Bolsonaro (PL) não irá se reeleger nas eleições de outubro.

Eu diria que esse cenário é o mais provável hoje. Infelizmente, o presidente Bolsonaro não deve se reeleger, e o Lula deve ser presidente. Daqui até a eleição as coisas só vão piorar na parte econômica, e na parte política vão aparecer mais escândalos. Abraham Weintraub, em entrevista ao jornal O Globo

"O presidente perdeu uma parte significativa da militância, porque todo aquele ideário foi para o ralo, de não negociar com pessoas acusadas de corrupção. Não se fala mais em 'a verdade vos libertará'. Hoje é 'psiu, não conta se não o PT volta'", acrescentou, em seguida.

Weintraub também chamou Bolsonaro de "conivente" em relação a ações do centrão.

"Eu não acho que ele tenha pego nada para ele na física [materialmente]. Mas isso só não basta. Ser honesto é diferente de ser conivente. Acho que ele está vendo os caras aprontarem, não é possível."

Ainda durante a entrevista, Weintraub voltou a defender o fechamento de bairros como forma de combater a violência, se eleito para o governo de São Paulo.

"Na Segurança, defendo fechamento de bairros e ruas para os moradores poderem, dentro dessas áreas de controle de circulação, levar uma vida mais normal, com menos violência. Isso vai reduzir a criminalidade nas áreas que quiserem [implementar o cerco], não é obrigado. Cercear um pouco o trânsito através da identificação de quem entra e sai não vai impactar o trânsito da região. Se o morador não quiser, não precisa fechar", pontuou.

O ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad (PT) lidera a intenção de votos para o governo de São Paulo, com 29%, segundo pesquisa Datafolha. Em segundo lugar, está o ex-governador Márcio França (PSB), com 20%. O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (PL) e o atual governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), têm um empate técnico, com 10% e 6%, respectivamente.

Abraham Weintraub e o seu irmão, Arthur Weintraub, que é ex-assessor da Presidência da República, deixaram o Brasil e foram morar nos Estados Unidos em junho de 2020. Abraham segue no país, mas diz cuidar apenas de detalhes burocráticos para voltar ao Brasil.

Antes de deixar o Brasil, ainda no governo Bolsonaro, Weintraub protagonizou atritos com o STF (Supremo Tribunal Federal) e passou a ser investigado no âmbito do inquérito das fake news por disseminação de desinformação e ameaças aos ministros da Corte.