PUBLICIDADE
Topo

Após abrir mão de candidatura, Doria diz que não deixará o PSDB

João Doria (PSDB) - Guito Moreto / Agência O Globo
João Doria (PSDB) Imagem: Guito Moreto / Agência O Globo

Do UOL, em São Paulo*

23/05/2022 17h42Atualizada em 23/05/2022 18h15

Em discurso a alguns apoiadores, João Doria (PSDB) declarou que não deixará da sigla, mesmo após anunciar a sua desistência da candidatura à presidência da República. O tucano exaltou seus anos no partido e pediu compreensão aos filiados, pois a decisão pode "representar algo construtivo e bom para o Brasil".

"Eu continuo no PSDB, continuo a exercitar a minha vontade de estar no PSDB. Eu só tive um partido, tenho 22 anos de PSDB, eu não mudei de partido, eu não mudo e não vou mudar de partido, mas eu tenho compreensão que, no momento, o meu gesto pode ajudar a sigla", disse aos filiados. A fala foi transmitida pela GloboNews.

O político comentou que poderia entrar na justiça contra a decisão da sigla de apoiar o nome de Simone Tebet (MDB) mesmo após ele vencer às prévias entre os filiados. Apesar disso, o tucano destacou que sua ação pode "representar algo construtivo e bom para o Brasil".

O meu gesto pode ajudar o meu país, que é o país de todos nós. Se isso puder ser entendido desta maneira é o que eu desejo. E, para isso, eu não preciso advogar, por mais que tivesse direito pelos resultados das prévias que nos deu a vitória. Mas vamos compreender também que [é importante] ter gestos e atitudes que podem representar algo construtivo e bom para o Brasil. Vamos aguardar. João Doria (PSDB)

Para o tucano, a decisão também pode ajudar "outros dentro do PSDB e, principalmente, outros partidos para que possam estar ao lado do Brasil e construir um movimento pelo país nessa aliança". Doria também pediu compreensão aos tucanos e apoiadores que acreditavam na sua candidatura.

"Me perdoem se isso frustra vocês, amigos leais, vocês representam aqui tantas outras pessoas. Fizeram essa mobilização, mas transmitam a outros tucanos esse sentimento para compreenderem o meu gesto pelo país e pelos brasileiros. O meu gesto não é contra ninguém, mas é a favor de um país que tem que ser soberano, livre, igualitário, sem confrontos e sem extremos. Nós já vivemos experiências ruins em um passado recente, estamos vivendo uma experiência ruim neste momento, então eu peço que vocês compreendam meu gesto", concluiu.

Discurso de saída

Na tarde de hoje, em seu anúncio de saída, Doria disse que "serenamente entende que não sou a escolha da cúpula do PSDB". Na fala, que demorou cerca de dez minutos, o tucano disse aceitar "a realidade com a cabeça erguida".

"Sou um homem que respeita o bom senso, o diálogo e o equilíbrio. Sempre busquei e seguirei buscando o consenso, mesmo que ele seja contrário a minha vontade pessoal. O PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano", afirmou.

Me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve, com a sensação de dever cumprido e missão bem realizada.
João Doria (PSDB)

O ex-governador afirmou que o país precisa de uma alternativa para atender aos eleitores que não querem os extremos. "Que não querem aquele que foi envolvido em escândalos de corrupção. E nem aquele que não deu conta de salvar vidas, não deu conta de salvar a economia e que envergonha nosso país em todo o mundo", disse ele, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao presidente Jair Bolsonaro (PL), os mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto.

*Com Stella Borges, do UOL, em São Paulo