PUBLICIDADE
Topo

Rejeição a Dória preocupa Aníbal: 'Ele precisa conversar sobre 3ª via'

Ex-senador José Aníbal (PSDB-SP) alertou para alto índice de rejeição ao ex-governador João Dória (PSDB-SP) - Geraldo Magela/Agência Senado
Ex-senador José Aníbal (PSDB-SP) alertou para alto índice de rejeição ao ex-governador João Dória (PSDB-SP) Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

Fabrício de Castro

Do UOL, em Brasília

15/05/2022 18h59

Após o ex-senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) declarar apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP), outro cacique tucano colocou em dúvida a viabilidade da candidatura do ex-governador de São Paulo João Dória (PSDB-SP) para a Presidência da República. Em entrevista à "CNN", o ex-senador José Aníbal (PSDB-SP) afirmou neste domingo (15) que Dória tem "um nível de rejeição altíssimo" e que deveria conversar com a cúpula tucana sobre a terceira via.

Na última sexta-feira (13), Nunes declarou voto em Lula e disse que fará campanha para ele. No sábado (14), em carta enviada ao presidente do PSDB, Bruno Araújo, Dória criticou a movimentação interna para retirada de seu nome da corrida presidencial. Segundo ele, as "tentativas de golpe" à sua candidatura seguem crescendo.

Em reação, Araújo convocou uma reunião da cúpula do PSDB para a próxima terça-feira (17). Até lá, o partido espera ter o resultado de uma pesquisa sobre intenções de voto em Dória e em outros candidatos da chamada "terceira via", que reúne PSDB, MDB e Cidadania.

Uma das dúvidas é se a senadora Simone Tebet (MDB-MS) seria mais viável que Dória.

"Estamos diante de uma situação em que o partido precisa agir politicamente", disse neste domingo José Aníbal à "CNN".

Temos o Dória como candidato a presidente da República, mas o Dória, que já é candidato há dois ou três anos, e com a confirmação da candidatura dele nas prévias, passados cinco meses, ele continua com um nível de rejeição altíssimo, equivalente ao de Bolsonaro. Só que o Bolsonaro tem 30% de intenção de votos, e ele tem 3%.
José Aníbal (PSDB-SP), ex-senador

Necessidade de diálogo

De acordo com o Agregador de Pesquisas do UOL, o ex-presidente Lula possui 44% das intenções de voto no primeiro turno, contra 33% de Jair Bolsonaro (PL). O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) tem 7%, e Dória aparece na quarta colocação, com apenas 3%.

Segundo Aníbal, políticos ligados ao PSDB estão preocupados com a viabilidade de Dória. "Todos estão com muita preocupação com o baixo desempenho do nosso candidato, mas especialmente com o nível de rejeição que ele tem. O nível de rejeição é definidor", pontuou.

Ao mesmo tempo, Aníbal defendeu que o partido mantenha o entendimento com o MDB e o Cidadania no sentido de avaliar a viabilidade de outras candidaturas para a terceira via.

O ex-senador também falou sobre as declarações mais recentes de Dória, que citou tentativas de "golpe" à sua candidatura.

"Dória chutou o pau da barraca. Ele tem a postura de quem está acuado. Dória faria melhor se participasse da reunião na terça e se dispusesse a conversar", afirmou Aníbal, para quem a candidatura do ex-governador de São Paulo está "congelada" tanto na intenção de votos quanto na rejeição.

FHC defende Dória; Roberto Freire responde

Em meio à disputa interna no PSDB, o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (SP) saiu neste domingo (15) em defesa de Dória. Em mensagem nas redes sociais, FHC afirmou que decisões tomadas em prévias partidárias devem ser obedecidas.

"Agiu bem o candidato João Doria. Ressaltando que o resultado das prévias deve ser respeitado", escreveu o ex-presidente.

Presidente do Cidadania, o ex-deputado federal Roberto Freire respondeu a FHC, também pelas redes sociais. Segundo ele, Dória é o candidato escolhido nas prévias do PSDB, mas o representante da terceira via poderá ser outro.

"João Dória era o candidato do PSDB. O da unidade poderá ser ou não", escreveu.