PUBLICIDADE
Topo

MG: Pré-candidato tucano critica polarização, crê na 3ª via e elogia Aécio

Pedro Vilas Boas e Matheus Mattos

Colaboração para o UOL

12/05/2022 16h15Atualizada em 12/05/2022 17h32

Pré-candidato pelo governo de Minas Gerais pelo PSDB, Marcus Pestana criticou a polarização política do cenário nacional, disse, durante sabatina UOL/Folha de hoje, que crê na terceira via e elogiou a trajetória política do deputado federal Aécio Neves no estado, querendo que ele suba em seu palanque.

Mas evitou se posicionar entre o presidente Jair Bolsonaro (PL), em busca de reeleição, e o ex-presidente Lula (PT).

"Essa é a eleição, talvez, mais importante, decisiva, tensa das últimas décadas. Eleição é a definição do futuro, uma escolha entre a continuidade e a mudança. Eu acho que é hora de mudança no Brasil e em Minas", afirmou.

"Nós ainda não temos a proposta concreta da terceira via, mas acho que o quadro ainda é muito embrionário. Acho que as eleições regionais têm autonomia em relação ao quadro nacional. Eu vou apoiar candidato da terceira via, não sou candidato que fica igual 'Rolando Lero', enrolando, vendo pesquisa. Eu tenho posição. Não escolho candidato por percentual em pesquisa", disse, citando personagem da "Escolinha do Professor Raimundo" que enrolava para não responder às perguntas feitas por Chico Anysio.

Com a saída do bloco do União Brasil, que decidiu lançar o nome de Luciano Bivar à Presidência, a terceira via enfrenta problemas para unificação do discurso. Sobre o tema, o tucano reconhece que "o processo não foi bem conduzido", mas garantiu apoio independentemente do nome escolhido.

"Nós já estamos muito atrasados. Essa decisão precisa sair em maio. Eu vou estar com o candidato da terceira via, porque eu acho que esse é o caminho. Eu tenho medo dos efeitos dessa polarização."

Durante a sabatina, o pré-candidato elogiou Aécio: "Ele vai ser cabo eleitoral, sim, ele é o melhor governador [de Minas Gerais] desde JK [Juscelino Kubitschek]. Ele fez todas as obras essenciais da região metropolitana".

Questionado sobre a falta de expressividade do PSDB nas eleições em Minas Gerais, Marcus relembrou as eleições de 2018 e fez críticas à atitude do atual governador, Romeu Zema (Novo).

"Nós, como todos os partidos que eram identificados com a chamada 'velha política', fomos sacrificados em 2018. Agora as pessoas estão vendo que a nova não é tão nova", disse.

Durante a sabatina, o pré-candidato do PSDB ainda disse que o atual governador, Romeu Zema (Novo), não tem "tesão" por política.

Não podemos ter um governador tão tímido, que não tem tesão na política, que não acredita na ação política como ferramenta de mudança. Ele tem um ar meio blasé, meio ausente. Gente boa, ele é honesto, bem-intencionado, mas ele não é do ramo."
Marcus Pestana, pré-candidato ao governo de MG pelo PSDB

Pesquisa Genial/Quaest

Segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada em março, Romeu Zema (Novo) está à frente, com 34% de intenções de voto. O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), fica em segundo lugar, com 21%.

Em seguida, quatro candidatos ficam em empate técnico, dentro da margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos. André Janones (Avante), com 7%; Cleitinho Azevedo (Cidadania), tem 6%; Carlos Viana (PL), 5%; e Vittorio Medioli (PSD) tem 2%.

Daniel Sucupira (PT) e Miguel Corrêa (PDT) têm 1% cada um. Os dois candidatos empatam tecnicamente com Cleitinho Azevedo, Carlos Viana e Vittorio Medioli, mas não alcançam André Janones. Lorene Figueiredo, Marcus Pestana e Renata Regina não aparecem no questionário.

Amanhã Carlos Viana (PL), candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, às 10h, e Renata Regina, do PCB, fecham o ciclo no estado.

Nas próximas semanas, também serão feitas sabatinas com candidatos ao governo do Rio de Janeiro, Paraná, Pernambuco, Ceará, Bahia e Rio Grande do Sul.