Você sabia que 20 de agosto é o Dia Mundial do Mosquito?

Pode até parecer estranho, mas os mosquitos, animais de dimensões tão pequenas, têm uma data dedicada a eles no mundo todo. O Dia Mundial do Mosquito, lembrado em 20 de agosto, não é exatamente uma data de celebração, mas de conscientização sobre os riscos que os insetos podem causar à saúde humana como transmissores de doenças como a malária, dengue e chikungunya.

A escolha do dia está atrelada a uma descoberta histórica. Foi em 20 de agosto de 1897 que o médico britânico Ronald Ross comprovou que o parasita causador da malária poderia ser transmitido para humanos por meio da picada de mosquitos fêmeas. A pesquisa rendeu a ele o Prêmio Nobel de Medicina em 1902, e se tornou um marco no estudo da transmissão de outras doenças por insetos.

Hoje, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a região das Américas tem sido afetada significativamente por infecções e mortes por doenças causadas por mosquitos, especialmente o Aedes aegypti, responsável pela transmissão de dengue, chikungunya e zika. No caso da dengue, somente neste ano, já foram registradas mais de 440 mil notificações e mais de 100 óbitos na região.

Ainda conforme a OMS, o incremento na proliferação do Aedes está ligado a condições precárias de tratamento e saneamento e a fenômenos climáticos que levam ao aumento da temperatura e da umidade.

Resistência a inseticidas

Se antes a aplicação de inseticidas era considerada uma alternativa para controlar o problema em regiões tropicais, hoje os produtos não são mais vistos como totalmente eficazes.

A OMS já alertou para a resistência que insetos têm desenvolvido aos químicos que estão no mercado
A OMS já alertou para a resistência que insetos têm desenvolvido aos químicos que estão no mercado Imagem: iStock

A própria OMS já alertou para a resistência que insetos como o Aedes têm desenvolvido aos químicos que estão no mercado. Neste ano, um estudo desenvolvido por cientistas do Departamento de Entomologia Médica do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão mostrou que, no Camboja, mais de 90% dos mosquitos Aedes apresentam mutações que impedem que esses produtos tenham a eficácia desejada.

De acordo com o engenheiro agrônomo Eduardo Funari, além de ineficazes, os inseticidas colocam em risco animais, plantas e a saúde humana. Inseticidas, observa ele, podem provocar intoxicações após inalação ou absorção pela pele.

Continua após a publicidade

No caso da natureza, a aplicação de inseticidas pode ainda comprometer todo um ecossistema. "O grande problema é que esses tratamentos matam também a fauna de insetos benéficos, como as abelhas. O conceito mais moderno e mais adequado, pensando na proteção do ser humano e do meio ambiente, no controle em grande escala, é trabalhar com bioinseticidas", recomenda.

Mas o que são os bioinseticidas?

Os bioinseticidas são produtos ecológicos produzidos a partir de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos, e que atuam no combate de pragas, sendo inofensivos a outros seres vivos.

No caso do Aedes, um dos bioinseticidas mais utilizados é o Baculovírus thuringiensis, da variedade israelensis. De acordo com Funari, trata-se de uma bactéria desenvolvida em laboratório, que tem apresentado resultados de alta eficácia tanto no controle de larvas de mosquitos Aedes quanto do gênero Culex, também conhecido como pernilongo.

Bioinseticidas podem ser usados dentro de ambientes com pessoas e não matam outras espécies
Bioinseticidas podem ser usados dentro de ambientes com pessoas e não matam outras espécies Imagem: Getty Images

"Os bioinseticidas têm algumas especificações que precisam ser respeitadas, como temperatura e umidade, mas podem ser usados dentro de ambientes com pessoas, não fazem mal. Foram desenvolvidos para controlar as larvas dos insetos, desde a origem, evitando que se tornem adultos", completa o engenheiro.

Continua após a publicidade

Primeiro, a lição de casa

Funari recomenda que, antes de comprar um bioinseticida, o consumidor procure conhecer se aquele tipo de formulação tem comprovação científica. "Não temos apenas o baculovírus, outras empresas estão lançando produtos biocontroladores com resultados bons, inclusive para serem aplicados de forma aérea. É uma indústria que está crescendo muito. Esse é o futuro."

No âmbito doméstico, quando o assunto é o combate do mosquito transmissor da dengue, o engenheiro assinala que o caminho é seguir as recomendações básicas do Ministério da Saúde. "Fazer uma recomendação técnica com receitas caseiras é difícil. A primeira coisa a se fazer é a lição de casa: evitar água parada no entorno de onde a pessoa vive."

*

Um fazendeiro excêntrico cria um safári africano, uma cidade famosa por seus caixões? Em "OESTE", nova série em vídeos do UOL, você descobre estas e outras histórias inacreditáveis que transformam o Centro-Oeste brasileiro. Assista:

Embed UOL

Continua após a publicidade

Siga Ecoa nas redes sociais e conheça mais histórias que inspiram e transformam o mundo
https://www.instagram.com/ecoa_uol/
https://twitter.com/ecoa_uol

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes